Dr. Julimar adverte sobre o uso de agrotóxicos “É um veneno, que mata!”

downloadO uso de agrotóxicos repentino tem sido um problema que toma grandes proporções. O Dr. Julimar Barreto esteve em entrevista coletiva na manhã deste sábado (01), comentando sobre a reunião que aconteceu no Sindicato dos Trabalhadores Rurais, que envolveu vários órgãos da região e também de outras regiões, a exemplo de um representante da FUNDACEMP. Também foi realizada uma reunião com a ADAB e com a Assistência Militar do Ministério Público, para discutir e adotar medidas cabíveis contra os malefícios causados pelo uso dos agrotóxicos, as advertências à revendedores e agricultores serão aplicadas, caso necessário, sem exceções.

Além de causar morte de pássaros e outros animais, esse tipo de química utilizada na produção agrícola tem contaminado o solo, rios, produção de alimentos e, principalmente ao próprio ser humano. O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, o que acarreta em vários riscos à saúde da população, “É um veneno, que mata!” alertou Dr. Julimar. Ele pontuou que se reunirá com todos os revendedores de agrotóxicos da região para traçar planos de trabalho, para que os revendedores façam o recebimento das embalagens vazias e deem a estas, o destino adequando assim como o que determina a lei.

Além de conscientizar os revendedores, também é preciso orientar os agricultores em geral para tentar reverter o quadro atual, a exemplo da forma como são descartadas as embalagens. Em alguns casos, as mesmas são reutilizadas para consumo, “Vamos tomar essa série de medidas em parceria com a ADAB e outros órgãos” disse. Dr. Julimar assegura que o agricultor que faz o uso ilegal do produto está cometendo crime e pode até ser preso, “Não é isso que a gente quer! A gente quer que a lei seja cumprida pra o benefício geral da sociedade”, continuou.

A aplicação do agrotóxico não é proibida, no entanto a proposta é conscientizar o agricultor a usar o mínimo possível, as fiscalizações serão realizadas tanto com os grandes agricultores como os menores. Luiz Geraldo, gerente regional da ADAB, também esteve presente na entrevista e comentou que o agrotóxico é um mal necessário, mas adverte que quanto menos usado, melhor. “Precisa ter responsabilidade, a ADAB nunca abriu mão da responsabilidade, nós vamos fazer a parte educativa, a parte de informação, mas não abriremos mão da parte de punir” alerta Luiz. Ele ressalta que quanto mais agrotóxicos forem usados, menos pássaros existirão, além disso, a contaminação tende a aumentar e as consequências serão vistas e sentidas por toda a população.