“A gente nunca quis entrar em confronto com o Governo do Estado”, diz advogado sobre decretos da prefeitura de SAJ que flexibilizam restrições estabelecidas pelo governo estadual

 

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) solicitou à Justiça, em ação civil pública ajuizada na segunda-feira (29), que revogue em decisão liminar autorização do funcionamento de academias de ginástica e outros estabelecimentos para realização de atividades físicas em Santo Antônio de Jesus.

Em entrevista ao Programa do Valente desta sexta-feira (01), o educador físico Rodrigo Fonseca disse ver a situação com preocupação.  “A proibição de funcionamento das academias vai contra a comunidade científica do mundo todo. Lógico que as pessoas podem se exercitar em casa, ao ar livre, mas o acompanhamento do profissional de educação física é indispensável”, pontuou.

Ao Programa do Valente, o advogado da prefeitura de Santo Antônio de Jesus, João Gabriel, ressaltou que a prefeitura sobre a ação judicial, porque destoou  do decreto estadual em três aspectos: horário do toque de recolher que permaneceu a partir das 20h, quando determinou toque de recolher a partir das 18h, funcionamento das academias e abertura do comércio no próximo sábado (03). “A realidade de Santo Antônio é diferente da região metropolitana. A gente nunca quis entrar em confronto com o Governo do Estado”, ressaltou;