Novo coordenador da 4ª Coorpin fala sobre possíveis mudanças no quadro de servidores e integração de equipes em sua coordenação

Delegado Joaquim de Souza – Foto: Blog do Valente

O novo Coordenador de Polícia Civil, Dr. Joaquim Pereira de Souza, falou em uma entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (19/04) sobre possíveis mudanças no quadro de servidores e sobre o seu planejamento de atuação nas 27 cidades que compreendem a 4ª Coorpin (Coordenadoria de Polícia do Interior), que tem sede em Santo Antônio de Jesus.

Antes da chegada de Joaquim Pereira, a 4ª Coorpin era coordenada pelo delegado Edilson Magalhães. A princípio o delegado ressaltou que sua intenção é deixar os trabalhos mais homogêneos através da integração das equipes. 

“Eu vejo as cidades do interior muitas vezes afastadas por conta às vezes de servidores,  da distância, o que nós vamos fazer é agregar. Esta é nossa intenção, nossa primeira medida a ser tomada, é procurar agregar: delegados, investigadores, escrivães, servidores no geral”, disse o delegado ao iniciar a sua fala.

Permanência de Dr. Adilson Bezerra e mudança no quadro de servidores

Em se tratando de mudanças nas equipes, o Dr. Joaquim afirmou que há esta possibilidade, e que este é um movimento natural. 

“Nós temos algumas pessoas que poderão vir, é uma coisa normal, uma coisa natural fazer algumas mudanças. É natural sem nenhum tipo de problemas”. Ao ser questionado sobre a permanência do delegado da polícia civil, Dr. Adilson Bezerra, Souza afirmou que ainda não há nada decidido, mas que está conversando com o Dr. Adilson sobre a questão.  

“Estou assumindo hoje oficialmente apesar de que desde o dia 14 saiu minha nomeação, mas com o Dr. Adilson também estou conversando com ele. É uma pessoa de competência não tenho dúvidas, mas tudo vai ser conversado. Não só com ele, mas com outros delegados, outros servidores”, explicou. 

Cobrança de melhorias frente ao Governo do Estado

Para o novo coordenador cobrar do governador Rui Costa melhorias para sua 4ª Coopin não será uma dificuldade, muito pelo contrário, ele disse está habituado a fazer cobranças.  “Cobrança é comigo mesmo. Fui corregedor de duas corregedorias. Eu sempre tive este perfil de procurar o melhor para as unidade que traga o que for necessário para o bem da comunidade”, ressaltou.