Boate Kiss: Advogada usa carta supostamente psicografada para defender réu

Boate Kiss: Advogada usa carta supostamente psicografada para defender réu

A advogada Tatiana Borsa, que defende o músico Marcelo de Jesus dos Santos, responsável por ter acendido o artefato pirotécnico na Boate Kiss, se utilizou de uma carta que ela disse ter sido psicografada para tentar inocentar o vocalista da banda Gurizada Fandangueira. Durante o julgamento da tragédia ocorrida em janeiro de 2013, nesta quinta-feira (9/12), ela apresentou um áudio que, de acordo com sua versão, reproduz a mensagem enviada por Guilherme Gonçalves, um dos 242 jovens mortos no incêndio.

“Ao invés de gastar nosso pensamento procurando por culpados, vamos nos unir em oração”, diz o áudio com a leitura do que seria a carta apresentado ao júri popular. O julgamento entrou nesta quinta em seu nono dia. A fase agora é de apresentação das teses da defesa.

“Procurem aceitar as determinações divinas. Eu também lamento tudo que ocorreu, mas só me resta me readaptar à realidade”, diria a mensagem.

Segundo Tatiana Borsa, a carta foi recebida pelo centro espírita Irmã Valquíria, localizado em Uberaba (MG), em 13 de junho de 2013, seis meses após a tragédia.

Tatiana foi a segunda a falar na parte destinada à exposição das teses de defesas. Antes, o tribunal ouviu Jader Marques, advogado de Elissandro Spohr, sócio da boate Kiss.

“A ficha ainda não caiu por completo, e o mês de janeiro ainda está vivo em minha memória. Estamos lutando tanto. Não está sendo fácil viver sem tantos afetos que deixamos”, diz o trecho exibido. “Até hoje estão procurando uma justificativa para a tragédia que me vitimou, que fez não só o Brasil chorar, como muitos pais.” “Pai e mãe, estimaria vê-los longe de qualquer protesto. Os responsáveis também têm famílias e não tiveram qualquer intenção. Pensemos no fato como uma fatalidade”, diz o áudio.

“Mãe e pai, continuem a caminhar com a certeza de que não me perderam de maneira nenhuma. Ao invés de gastar nosso pensamento procurando por culpados, eu os convido a nos unir em oração.”

*Metrópoles