Peixes aparecem mortos em lagoa de Feira de Santana e prefeitura diz que água está contaminada

O aparecimento de centenas de peixes mortos na Lagoa da Pedreira tem preocupado moradores de Feira de Santana, cidade localizada a cerca de 100 quilômetros de Salvador. Conforme apontam os moradores do bairro Conceição II, que fica próximo à lagoa, há cerca de cinco dias eles começaram a perceber a morte dos animais, na maior parte da espécie tilápia.

“Eu moro aqui há uns 10 anos e eu nunca vi tanto peixe assim. Todos mortos. Eu nem imaginava que tinha tanto peixe por aqui”, disse a dona de casa Anne Souza.

Segundo um levantamento feito pela ambientalista João Dias, que também é chefe da divisão de Educação Ambiental da prefeitura, já existe uma suspeita do que tenha causado a morte dos animais. Entretanto, a prefeitura vai investigar o caso, e João Dias esteve no local na tarde de quinta-feira (7) para verificar a situação. Ele encontrou peixes que tinham acabado de morrer.

“Um fator biótico que pode ter acontecido aqui é a densidade, ou seja, a quantidade de peixe por metro cúbico ou quadrado de água; e o fator abiótico [influência que os seres vivos podem receber em um ecossistema] foram as chuvas que alteraram todo o parâmetros da água, como a turbidez, o pH, o oxigênio dissolvido e os gases. A água está contaminada, dá para sentir o mau cheiro”, explicou Dias.

Ainda assim, João Dias informou que na segunda-feira (11), a prefeitura vai fazer uma análise da água para que a população seja informada sobre as causas das mortes dos peixes.

A situação da morte dos animais ainda é preocupante, porque muitas pessoas que moram no entorno da lagoa pegaram os peixes mortos para consumo.

A dona de casa Eunice Souza relatou ter flagrado moradores pegando os peixes mortos. “O povo pegou os peixes até pela noite”, destacou.

Raimundo Souza, presidente da Associação de Moradores do bairro Conceição II, orientou os moradores do local sobre os riscos de consumir os peixes da lagoa e pediu também para que as mães não deixem os filhos tomarem banho na lagoa.

“É preocupante ver as pessoas pegando os peixes porque a gente ainda não sabe as causas das mortes deles. Crianças tomam banho aqui também”, disse Raimundo.

*G1