Zoológico de Salvador ganha mais 45 jacarés de papo amarelo

O zoológico de Salvador tem duas espécies de jacaré (Foto: Divulgação/ Zoo)

O coordenador geral do Zoológico de Salvador, Vinícius Dantas, contou que os filhotes nasceram há seis meses, e que não foram expostos antes porque estavam frágeis demais. A ninhada foi produzida por três fêmeas, e os ovos levaram 85 dias para serem chocados. No entanto, houve algo inusitado durante a produção.

“Um macho tem várias fêmeas, e o ninho onde os ovos são depositados costuma ser coletivo. Desta vez, as três fêmeas fizeram ninhos individuais. Além disso, quase todos os ovos chocaram, quando, geralmente, somente de 30% a 50% geram filhotes. Nasceram 45, mas apenas 27 foram colocados para visitação porque os outros ainda estão muito pequenos”, contou.

Os animais têm em média 20 centímetros, mas podem alcançar 2 metros na fase adulta. Cada fêmea produz entre 15 e 60 ovos, e a espécie não está oficialmente ameaçada de extinção. Para Dantas, no entanto, a perda de ambientes naturais está colocando em risco a sobrevivência de todas as espécies.

São 40 mil visitantes todos os meses (Foto: Divulgação/ Zoo)

“Existem três fatores que influenciam na qualidade da reprodução animal: o ambiente adequado, a sanidade mental do animal e a dieta correta. Acredito que esse equilíbrio permitiu a ninhada de 45 filhotes. O jacaré de papo amarelo não está na lista dos animais ameaçados de extinção, mas a verdade é que toda a fauna está ameaçada por conta da perda de habitat. Esse é um problema que atinge todos os animais”, disse.

O Zoo de Salvador tem parceria com outras instituições que cuidam dos animais no Brasil e, por isso, os irmãos de papo amarelo podem ser enviados a qualquer momento para outras regiões do país. Atualmente, existem 11 adultos da espécie no zoológico e mais um jacaré da espécie Açu (Melanosuchus níger), que mede 4,2 metros de comprimento.

Os animais receberam um novo habitat este ano (Foto: Divulgação/ Zoo)

Os jacarés também estão de casa nova. No dia 6 de outubro, eles ganharam um espaço renovado, com dois tanques. Um deles foi construído artificialmente, e mede cerca de 60m². O outro é natural, parecendo com uma lagoa ou pântano. Os dois possuem cerca de 1 metro de profundidade, e são alimentados por minadouros existentes no local.

O Zoo está passando por obras de requalificação desde julho de 2017 e os jacarés foram os primeiros a ganharem um recinto novo. As mudanças estão previstas para continuar até o fim do ano. O local tem, em média, 40 mil visitantes todos os meses, e é administrado pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema).

*Correio