Bahia perdeu R$ 6,5 bilhões com violência no trânsito em 2017

Uma tragédia cotidiana com efeitos de longo prazo na sociedade, nas famílias e na capacidade produtiva da Bahia. A violência do trânsito no Estado provocou um impacto econômico de R$ 6,5 bilhões no ano passado, ou 2,37% do Produto Interno Bruto (PIB) estadual. Essa foi a perda da capacidade produtiva causada por acidentes que mataram 3.006 pessoas e deixaram outras 2.249 com invalidez permanente. O valor corresponde ao que seria gerado pelo trabalho das vítimas caso não tivessem se acidentado. Os cálculos são do Centro de Pesquisa e Economia do Seguro (CPES), órgão da Escola Nacional de Seguros, divulgados nesta terça-feira (15).

O estudo, com base nos indicadores do DPVAT (seguro obrigatório de automóveis), aponta um aumento expressivo do número de vítimas fatais e com invalidez permanente no estado: de 3.279 em 2016 para 5.255 no ano passado. Assim, o impacto total das perdas produtivas foi 60,2% maior no período. O fator que mede a perda da capacidade produtiva é chamado de Valor Estatístico da Vida (VEV), ou seja, o quanto cada brasileiro é capaz de produzir em sua vida.

Segundo o Correio, em todo o Brasil, a violência do trânsito provocou um impacto econômico de R$ 199 bilhões no ano passado, ou 3,04% do PIB nacional. As perdas correspondem a acidentes que mataram 41,1 mil pessoas e deixaram 42 mil com invalidez permanente no país. Na comparação com 2016, o impacto foi 35,5% maior. Os dados ganham ainda mais relevância no mês em que é celebrado o Maio Amarelo, movimento que busca conscientizar a sociedade para a importância do trânsito seguro.

*Bahia economia