Prisco diz que Governo da Bahia não oferece alimentação aos alunos militares dos cursos de aperfeiçoamento dos praças

Os alunos soldados militares, que frequentam o curso de aperfeiçoamento dos praças da PMBA, estão sem alimentação. A denúncia é do coordenador-geral da Associação dos Policiais e Bombeiros Militares do Estado da Bahia (ASPRA/BAHIA), deputado estadual Soldado Prisco, que recebeu queixas dos estudantes de diversas regiões do Estado.

“Como passam muitas horas com fome, alguns comandantes liberam as turmas mais cedo. Dessa forma, fica claro que o curso acontece sem oferecer o mínimo de dignidade aos futuros soldados que servirão à sociedade baiana. Formarão militares sem oferecer o mínimo de respeito aos servidores”, lamentou.

Conforme o parlamentar, o governo teve um ano para se preparar até a chegada dos alunos. “Mas não o fez, todavia, não deixou de fazer propaganda mentirosa nos meios de comunicação de massa. O governo submete os futuros soldados a condição degradante, durante o processo de formação, e adiante serão estes profissionais que farão o enfrentamento da criminalidade na Bahia”, analisou Prisco.

O coordenador-geral afirmou, ainda, que em algumas unidades servem aos alunos, no almoço, ovo com arroz para não liberarem mais cedo os recém-chegados na corporação. “E os que não ficam alojados não têm direito a nada, nem mesmo ao arroz com ovo. Muitos alunos ja foram parar no hospital. Nós estamos trazendo a público mais esta denúncia, para que a sociedade baiana saiba como o governo do estado trata os seus servidores. Para além disso, vamos representar no Ministério Público Estadual. Não aceitamos tal conduta”, disse.