Vaza Jato: ministro do STF atuou como orientador de Dallagnol

 

                                                               Foto : José Cruz/Agência Brasil

 

Diálogos analisados e divulgados hoje (25) pelo site The Intercept Brasil em parceria com o jornalista Reinaldo Azevedo apontam que o procurador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, têm relações muito próximas. Barroso chega a se comportar como uma espécie de “tutor” de Dallagnol.

As conversas apontam que a proximidade parece ter se estabelecido numa viagem que os dois fizeram a Oxford, em 2016. Dallagnol teria acesso privilegiado ao magistrado, a quem recorreu para pedir conselhos. Há diálogos em que o procurador de primeira instância também aconselha o tutor.

Uma das conversas aponta que, pouco depois da morte do ministro Teori Zavascki, relator do “petrolão” no STF, integrantes da Lava Jato iniciaram uma articulação para que Barroso assumisse o posto. O magistrado chegou a conversar a respeito do assunto com Dallagnol, representante do órgão acusador. A estratégia, como revelam os diálogos, incluía mobilizar aliados na imprensa para plantar informações e “queimar” nomes. O grupo queria evitar a todo custo que a relatoria caísse nas mãos de Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski ou Dias Toffoli.

Dallagnol e Barroso também conversaram sobre o indulto de Natal editado pelo presidente Michel Temer, que foi parcialmente suspenso pela então presidente do STF, ministra Carmen Lúcia.