SAJ: empresários se reúnem para discutir prejuízos causados pelas fortes chuvas e cobrar soluções junto ao poder público

Alguns dias depois das fortes chuvas que causaram grandes alagamentos na cidade, empresas de Santo Antônio de Jesus ainda organizam suas instalações, tentam recuperar mercadorias e não param de calcular os prejuízos.

Um grupo constituído por cerca de 35 empresários instalados em ruas que ocupam o centro da cidade, enviou um ofício no dia 02 de abril para as Entidades Empresariais solicitando uma reunião para tratar dos prejuízos causados pelas fortes chuvas que caíram de forma torrencial nas últimas semanas.

E, na noite desta última segunda-feira (08/04), empresários compareceram a sede das Entidades, para que a diretoria escutasse as demandas referentes ao assunto e a partir disto, buscar soluções junto ao grupo. Individualmente, todos os presentes externaram suas angústias em relação ao assunto e os prejuízos advindos pelo alagamento das ruas, em especial, as  que ocupam o grande centro da cidade, a citar: Travessa 15 de Novembro (Rua da Câmara de Vereadores), Praça Félix Gaspar, Avenida Roberto Santos, Rua Landulfo Alves, Praça Padre Mateus, 4 Esquinas, Rua Antônio Veiga Argolo (Rua da Miucha), entre outras.

De uma forma geral, os empresários reclamaram que em grande parte as “bocas de lobo” (dispositivos em forma de caixa coletora de água pluvial) não existem, ou na maioria das vezes estão entupidos ou não tem vazão para uma central de escoamento, o que causa todo o transtorno causado pelos alagamentos e o longo tempo no escoamento desta água.

Os empresários relataram que apenas uma limpeza superficial não resolve o problema, sendo apenas um paliativo, destacando ainda, que o problema vem se agravando ao passar dos anos e nada tem sido feito. Na oportunidade mencionaram que após o início da reforma da Câmara de Vereadores a situação se agravou nas ruas adjacentes e as recentes construções/melhorias feitas pelo poder público, não estão atendendo a demanda das redes coletoras que recebem toda água pluvial, para evitar que o problema se prolongue por mais anos.

Foi mencionado ainda que existe a necessidade de um bom projeto de drenagem urbana e recuperação de galerias principais da cidade. Entendendo que, além de necessitar que a sociedade, em geral, tenha a consciência de não jogar lixo nas ruas, o poder público tem o dever de repensar a drenagem da cidade, visto que com a crescente urbanização dos centros e o uso de concreto e asfalto nas construções, essa capacidade de reter a água da chuva diminuiu radicalmente, tornando necessário um projeto que contemple esse crescimento.

Ao final da reunião, foram estabelecidas demandas importantes acerca da pauta tratada. Ações que acarretam um posicionamento do poder público acerca do assunto, uma vez que é unânime a preocupação e insatisfação dos empresários causadas pelos grandes prejuízos, não só materiais como emocionais, uma vez que é evidente que vários investimentos são feitos para que hoje Santo Antônio de Jesus seja reconhecido como um grande polo econômico, mas para que esses investimentos continuem acontecendo a cidade precisa estar estruturada para recebê-los.

ASCOM – ESPAÇO EMPRESARIAL