Moto táxi de Santo Antônio precisa se organizar para ser respeitada

Esta semana estive em Cruz das Almas e notei o padrão das motos com adesivos identificativos, como querem alguns mototaxistas de Santo Antônio de Jesus. No adesivo, consta o nome da associação ACMAC ( Associação dos Moto Taxistas de Cruz das Almas ).  É importante notar que os mototaxistas de lá só conseguiram essa conquista porque estão organizados em associação, diferentemente do que acontece aqui.  O grupo de motoqueiros que trabalham com transporte alternativo já existe a muito tempo e precisa formar uma entidade de classe para que possam ter voz forte.  Por causa dessa dificuldade os motoqueiros não conseguem se reunir, enfraquecem suas reivindicações e deixam margem para que alguns se levantem para renovar discussões já ultrapassadas como, por exemplo, a pintura das motos – coisa que já foi acatada pela maioria.  Num momento como esse não vale a pena se discutir de novo um detalhe que já foi aceita pelos mototaxistas. É preciso observar o próximo passo, que seria justamente o de se intensificar a fiscalização das motos para certificar-se de que todas tenham condições adequadas de segurança e documentação.  O mais cada motoqueiro deve aprender a reivindicar com ordem e, preferencialmente, em grupo.