Entrevista com Vereador Marcos Muniz

• Essa sua disputa, essa sua insatisfação com o PT significa uma aproximação com  o prefeito? • Léo, isso foi questionado por outras emissoras de rádio. E eu lhe digo uma coisa, eu faço parte do grupo Beija-Flor, eu apoio o grupo Beija-Flor, mas da maneira que as coisas estão acontecendo eu não descarto a possibilidade de nada. Eu acho que a gente tem que se olhar, a gente tem que ser olhado, a gente tem que ser valorizado certo? Porque nós fomos eleitos para trabalhar pelo povo. Como eu vou ficar na câmara, apenas com o cargo de Vereador, sentado, sem ter a condição de trabalhar pelo nosso povo de fazer alguma coisa pelo nosso povo. Eu acho que essas coisas nós temos que discutir que seriamente eu quero trabalhar pelo meu povo. E se me derem condições de trabalhar, eu vou trabalhar. • Então,  o seu objetivo é trabalhar não importa de que lado esteja? • Não, eu quero manter a coesão, quero manter a firmeza junto com a oposição, porque eu acredito que fui levado a câmara municipal de novo pelo grupo Beija-Flor. Mas, da maneira que ta se fazendo a política publica em Santo Antonio de Jesus, e que o nosso presidente do PMDB na verdade está sendo impossibilitado de negociar isso com o PT, isso nos faz com o mandato na mão nos preocupar. Porque quando eu bater nas portas dos amigos amanhã vão dizer, você não fez nada por nós como é que posso de novo lhe apoiar? Como posso de novo votar em você? Então aí fica o questionamento. Ou eu trabalho, e tenho condições de trabalhar pra ajudar o próximo ou lá na frente não vou poder bater na porta de amigo nenhum. • Agora Chispita, em relação a uma audiência que houve na sexta-feira, um processo contra o presidente da câmara Délcio Mascarenhas e você teria surpreendido o PMDB não comparecendo, porque? • Agora Léo, eu não tenho nada pessoal contra o presidente da câmara. Já tive!Já tivemos! E se tem uma das pessoas que está me ajudando a trabalhar hoje, é o presidente da câmara. Eu tenho duas pessoas empregadas aqui na câmara agradeço a ele, foi ele que deu a condição de trabalho. Então, querendo ou não, ele ta dando a condição de trabalho a todos os vereadores aqui na casa. Ele faz a política da maneira dele, ele não faz uma política democraticamente, mas ele faz da maneira dele, mas  de qualquer maneira foi uma das pessoas que me ajudou a trabalhar. E eu não vi, eu não ouvi ele falar, foi levado a fita em minha casa e eu mandei que procurasse o presidente do PMDB e disse bem claro, não quero ser testemunha. Falei bem claro, não vou ser testemunha porque não vi, não ouvi. Tenho o direito a ir e há não ir, e o meu direito persiste a mim, decidir não ir. Na verdade, decidir não ir, não fui e nem vou. A não ser que seja chamado pela justiça pra dizer o que estou lhe dizendo aqui, então é dessa maneira que a gente tem que trabalhar. Não vou aqui, ser vereador marionete e fazer o que querem que eu faça o tempo todo sem ser prestigiado, eu preciso de prestígio e até o momento não tive nenhum cargo me cedido pelo governo do estado, nessa divisão que foi feita PT, PMDB e Santo Antonio de Jesus, não sei nem quais são os cargos de confiança do PMDB em Santo Antonio, porque eu não tenho nenhum. Foi dado a mim, apenas seis vagas de trabalho do PST, são contratos temporários e eu coloquei seis pessoas de classe baixa de Santo Antonio de Jesus para trabalharem e que infelizmente até agora não receberam nem se quer o seu salário. • Agora, algumas pessoas do PT Chispita, alegam que poucos cargos surgiram depois que você se elegeu vereador, que os cargos naturalmente são distribuídos assim que o governo do estado assumi. E que nesse período você não estava tão próximo, que você não tinha um cargo como vereador ainda e que até então, é como se você não estivesse paciência de esperar para que surgissem outros cargos de lá pra cá. • Aí vai terminar o meu mandato e eu não vou ser olhado. Termina meu mandato e eu não fiz nada. Termina meu mandato e eu não pude ajudar ninguém. Aí chega outra campanha e quem vai olhar isso? Quem vai entender isso? Eu quero vê quem é que vai votar agora, quem é que vai apoiar quem e quem vai dá voto a quem, que a campanha é agora, a campanha não é depois. • Outros vereadores, outras lideranças do PMDB e do PT estavam nomeando pessoas para cargos do governo do estado, depois que você se elegeu? • Olhe bem, o que eu tenho a lhe dizer Léo, é que o PT de qualquer maneira tem que cortar na própria carne. Ele sabe que eu faço parte hoje da conjuntura da oposição da câmara municipal e isso não está sendo respeitado, não está sendo feito. Eu acredito que os companheiros do PT como disse o vereador Ailton temos que dialogar, temos que conversar, e da maneira que está sendo feita não vou poder conversar. Já estou conversando até um pouco demais, porque eu preciso ser olhado, eu tenho representação e preciso de representatividade para representar o meu povo, e da maneira que está sendo feito, como é que pode ser questionada uma liderança de quase dois mil votos sem prestígio nenhum no governo, como é que eu posso defender o governo do estado, como é que eu posso defender a base oposicionista em Santo Antonio de Jesus se não está sendo respeitado o direito do meu trabalho. Eu tenho amigos em Santo Antonio de Jesus, tem lideranças em Santo Antonio de Jesus que são questionados a respeito disso, ai quando chega à eleição futura eu vou bater na porta dessas lideranças e vão dizer: Você não fez nada pela agente, como posso votar em você?