Violência corre solta e assusta turistas na Ilha de Itaparica

Paraíso de 40km de praias cercadas com farta vegetação tropical e norteada pelo medo. Maior entre as 56 ilhas que compõem a Baía de Todos os Santos, a Ilha de Itaparica sofre com o constante crescimento da violência e a redução do número de visitantes. Comerciantes apavorados e população escondida atrás das grades. A criminalidade nos dois municípios da Ilha (Vera Cruz e Itaparica) obedece uma sazonalidade. Somente em Vera Cruz, a polícia registra dez arrombamentos de imóveis, por mês, na baixa estação. Já entre setembro e fevereiro (alta estação), quando as casas de veranistas são ocupadas, os furtos e roubos a visitantes entram em cena. Na Praça da Amoreira, em Ponta de Areia (Itaparica), área com grande concentração de pousadas de luxo, o sol pode até falhar, mas os tiroteios sempre marcam presença nos finais de semana. Nas barracas, as marcas de tiros denunciam a ação dos bandidos, que não se intimidam com o módulo policial localizado na praça.Os confrontos, segundo os moradores, acontecem sempre na madrugada, quando não há policiais no posto. Os assaltantes retiram as telhas dos estabelecimentos à beira mar para roubar  eletrodomésticos, comida e bebida. O secretário do Turismo da Bahia,Domingos Leonelli, informou que realiza reuniões periódicas com a Secretariade Segurança Pública para traçar estratégias que diminuam a ocorrência de crimes e, assim, deixem de servir como elemento que afugente os visitantes. “A segurança é uma preocupação de todos os órgãos”, afirmou o secretário.

Fonte: Correio