Cônsul da Argentina diz que turista que morreu após acidente com lanchas visitava a Bahia pela primeira vez

O turista argentino Ruan Andres Vilalva, que morreu após duas lanchas baterem na noite de quinta-feira (5), na região de Morro de São Paulo, no baixo sul da Bahia, visitava pela primeira vez o estado, segundo informações do Consulado da Argentina, na Bahia.

Segundo o cônsul da Argentina, na Bahia, Pablo Virasoro, Ruan Andres Vilalva chegou no estado horas antes do acidente. Após desembarcar no aeroporto, ele foi direto para o atracadouro, onde começou o trajeto à Morro de São Paulo.

“Era turista, ele chegou pela noite da quinta-feira, o voo dele chegou no aeroporto de Salvador e [ele] fez o trajeto até o atracadouro por terra, foi aí que ele pegou essa lancha para fazer o último trecho até o Morro de São Paulo. Infelizmente foi a lancha que sofreu o acidente”, disse o cônsul da Argentina na Bahia, Pablo Virasoro.

“Só tinha o marinheiro além dele nessa lancha. Está sendo apurado com testemunhas, aparentemente foi uma colisão direta entre as duas lanchas e nesse horário estava bastante escuro. Pelo que relatou o marinheiro, ele faleceu imediatamente, no impacto”.

O cônsul da Argentina informou que a família de Ruan Andres Vilalva foi identificada através das redes sociais e aguarda a transferência do corpo do turista

De acordo com a delegada Argimária Freitas de Souza Soares, que investiga o caso, o corpo do turista foi encaminhado ao Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Valença. As pessoas, que estavam na outra lancha e ficaram feridas na batida, já receberam alta médica e vão ser ouvidas durante o inquérito policial.

Argimária Freitas afirmou que Ruan estava na lancha “Bruno David”, que acabou afundando. Segundo a delegada, a outra lancha envolvida na batida, “Big Z”, estaria transportando pessoas que estavam em uma festa na praia da Gamboa.

O marinheiro da lancha onde estava o argentino foi ouvido pela delegada, e os responsáveis pela outra embarcação serão ouvidos na tarde desta sexta feira.

Através de nota, a Capitania dos Portos informou que assim que tomou conhecimento do caso, uma equipe de Busca e Resgate (SAR) foi deslocada para o local do ocorrido, a fim de ampliar as informações e prestar o auxílio necessário.

“As causas e responsabilidades pelo ocorrido serão determinadas por meio de inquérito administrativo a ser instaurado pela Marinha do Brasil”, diz a nota

Fonte: G1