‘Qualquer pessoa faz um parto’, afirma funcionária de maternidade em Santo Amaro

Uma das justificativas para a a redução da verba da maternidade é o investimento no Hospital Nossa Senhora da Natividade ou Hospital da Santa Casa. O município assegura que a unidade supre a realização dos partos. Mas não foi o que o CORREIO verificou no local.

Buscando informação para uma suposta gestante, a reportagem perguntou na recepção:  “Minha prima está sentindo as dores do parto. Ela pode vir para cá?”. “Pode trazer, mas o médico não é obstetra”, disse uma  funcionária, que insistiu: “Qualquer pessoa faz um parto. Até um técnico de enfermagem”. No caso de uma cesárea, porém, ela admitiu que rejeitaria. “Aqui não tem centro cirúrgico”.

O vice-prefeito Leonardo Pacheco disse que a Santa Casa faz apenas parto de emergência. “Os de risco encaminhamos para outras cidades”. Segundo ele, a Santa Casa faz três partos por dia. Procurado, o Conselho Regional de Medicina (Cremeb) esclareceu que uma unidade não pode oferecer serviço de parto se não tiver especialista responsável.

Meu filho vai nascer aqui, e ponto final’, diz gestante
Cheia de carinho, a pequena Clara, 9 anos, abraça a barriga da mãe, que envolve o irmãozinho, Lucas. Filha de Santo Amaro, Clarinha nasceu no final da tarde do dia 3 de maio de 2007. Veio ao mundo na Maternidade de Santo Amaro, assim como todos da família. Com 29 semanas e três dias de gestação, a dona de casa Priscila Falcão do Nascimento, 33, luta para que seu segundo filho tenha o mesmo direito.

BAHIA
‘Qualquer pessoa faz um parto’, afirma funcionária de maternidade em Santo Amaro
Município assegura que o Hospital da Santa Casa supre a realização dos partos
Por Alexandre Lyrio – 08/05/2016 11:21:00

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Linkedin
Uma das justificativas para a a redução da verba da maternidade é o investimento no Hospital Nossa Senhora da Natividade ou Hospital da Santa Casa. O município assegura que a unidade supre a realização dos partos. Mas não foi o que o CORREIO verificou no local.

Hospital da Santa Casa estaria recebendo apenas casos de emergência
(Foto: Almiro Lopes/CORREIO)

Buscando informação para uma suposta gestante, a reportagem perguntou na recepção: “Minha prima está sentindo as dores do parto. Ela pode vir para cá?”. “Pode trazer, mas o médico não é obstetra”, disse uma funcionária, que insistiu: “Qualquer pessoa faz um parto. Até um técnico de enfermagem”. No caso de uma cesárea, porém, ela admitiu que rejeitaria. “Aqui não tem centro cirúrgico”.

O vice-prefeito Leonardo Pacheco disse que a Santa Casa faz apenas parto de emergência. “Os de risco encaminhamos para outras cidades”. Segundo ele, a Santa Casa faz três partos por dia. Procurado, o Conselho Regional de Medicina (Cremeb) esclareceu que uma unidade não pode oferecer serviço de parto se não tiver especialista responsável.

Meu filho vai nascer aqui, e ponto final’, diz gestante
Cheia de carinho, a pequena Clara, 9 anos, abraça a barriga da mãe, que envolve o irmãozinho, Lucas. Filha de Santo Amaro, Clarinha nasceu no final da tarde do dia 3 de maio de 2007. Veio ao mundo na Maternidade de Santo Amaro, assim como todos da família. Com 29 semanas e três dias de gestação, a dona de casa Priscila Falcão do Nascimento, 33, luta para que seu segundo filho tenha o mesmo direito.

RTEmagicC_adeus_santoamaro5.jpg

Priscila quer que Lucas seja como Clara: santo-amarense de nascença
(Foto: Almiro Lopes/CORREIO)

“Eu sou santo-amarense e tenho o direito de ter o meu filho aqui. Se a cidade não tivesse maternidade, tudo bem. Quero que minha família me visite no dia. Meu filho vai nascer aqui, e ponto final”. Priscila tenta juntar R$ 3,5 mil para pagar um parto particular na maternidade, já que não confia que será atendida pela Santa Casa, onde a prefeitura garante que estão acontecendo partos. “O que estou vendo é o povo saindo na carreira daqui para ir para São Francisco, Cachoeira… A Santa Casa mal atende os doentes, como vai fazer parto decente?”, pergunta.

*Correio