Iuri Sheik nega que esteja sendo procurado pela justiça e fala sobre passado: “Tenho nojo do que eu era”

Após ficar um ano e três meses preso no Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador, pela morte do empresário William Oliveira, após uma discussão durante os festejos juninos da cidade de Santo Antônio de Jesus, o digital influencer Iuri dos Santos Abrão Silva, conhecido como Iuri Sheik, publicou um vídeo nas redes sociais, na manhã deste sábado (26) agradecendo a seus fãs pelo apoio e disse estar arrependido de suas ações.

“Pessoas fiéis, que não me abandonaram durante esse um ano. Foi um momento de reflexão e aprendizado. Agradeço a cada um de vocês. Se manter uma rede social com 250 mil seguidores é muito difícil, sem ter nenhum conteúdo para postar”, disse Iuri.

Iuri, que se diz evangélico, relatou que amadureceu e que buscou a Deus em sua passagem pela prisão e diz sentir nojo do seu passado.

“Quero dizer para vocês que aprendi muito, amadureci muito nesse tempo em que estive encarcerado. Busquei a Deus. Têm pessoas que falam: “Entrou na cadeia e virou cristão”. Não é assim galera, quando você entra, que você busca, Deus tira as escamas dos seus olhos. Você vê que tudo isso aqui é vão, vaidade de vaidade, tudo é passageiro. Eu vivia atrás de fama, de luxo, dinheiro e vi que realmente é só vaidade. A gente aprende a valorizar as melhores coisas da vida. Tenho nojo de quem eu era”, desabafou Iuri.

Ainda em seu pronunciamento, Iuri Sheik e negou que estivesse sendo procurado pela justiça.

Iuri Sheik foi indiciado por homicídio qualificado e estava preso no Completo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador, onde aguardava julgamento desde a época do crime. Agora, ele vai esperar o julgamento em liberdade.

Iuri saiu em liberdade no dia 14 de setembro e ao ser questionado se há arrependimento por ter cometido o crime, ele respondeu que não.

“Jamais. Deus é comigo. No momento oportuno a Justiça baiana vai saber a verdade”, disse o digital influencer ao ser perguntado se há arrependimento sobre o crime.