Globo tentou abafar denúncias de assédio, mas vítimas pressionam para que Marcius Melhem seja punido

A emissora demitiu o poderoso diretor do núcleo de humor, Marcius Melhen, sem nada dizer sobre as denúncias de assédio, afirmando que ele encerrava uma “parceria de sucessos”. Segundo relatos das vítimas, Melhem atuou de forma violenta e chegou a trancar mulheres em espaços e tentar agarrar, contra a vontade delas

Demitido depois de quase duas décadas de Rede Globo e sendo um poderoso diretor do núcleo de humor da emissora, as revelações dos motivos que levaram a Globo a tomar tal medida confirmam as denúncias de assédio sexual por parte de Marcius Melhem.

Melhem tinha sido acusado de assédio sexual pela atriz Dani Calabresa, que procurou o compliance da emissora para fazer a denúncia. A partir da denúncia de Calabreza, outras mulheres mulheres buscaram o departamento para relatar fatos semelhantes. Descreveram tentativas de as agarrar à força, envio de mensagens inconvenientes, ambiente tóxico de trabalho.

A emissora tentou abafar o caso e nada disse sobre as denúncias em nota que comunicava o desligamento de Melhem.

De acordo com reportagem da colunista Mônica Bergamo, a medida causou indignação entre as mulheres que denunciaram o assédio e elas se organizaram para reclamar sobre o desfecho com a direção da emissora.

“O apoio a elas cresceu, e um grupo de mais de 30 funcionários ou parceiros da empresa participou de reuniões internas na empresa sobre esse assunto. A Folha vem desde então acompanhando o caso”, destaca Bergamo.

De acordo com a advogada criminalista Mayra Cotta, que as assessora seis vítimas de assédio sexual e seis testemunhas, “há vítimas de assédio moral. E há um grupo de apoio a elas, de mais de 30 pessoas”.

“As vítimas e as testemunhas que eu represento depuseram no processo de compliance [aberto pela TV Globo para apurar denúncias contra o ex-diretor]. O processo foi encerrado e elas estavam sem saber muito bem como se organizar para que essa história tivesse um desfecho que reconhecesse tudo o que elas passaram e toda a gravidade do comportamento que o Marcius Melhem teve enquanto ele foi chefe”, explica a advogada.

“Houve um comportamento recorrente, de trancar mulheres em espaços e as tentar agarrar, contra a vontade delas. De insistir e ficar mandando mensagem inclusive de teor sexual para mulheres que ele decidia se iam ser escaladas ou não para trabalhar, se ia ter cena ou não para elas [nos programas de humor]. De prejudicar as carreiras de mulheres que o rejeitaram. De ficar obcecado, perseguindo mesmo. Foi um constrangimento sistemático e insistente, muito recorrente”, revela.

Segundo relatos, Melhen “isolava as atrizes, tinha o poder de não as deixar ir para outros lugares [na emissora], fazer outras coisas” e ainda criava um ambiente de trabalho tóxico.

Brasil247.