Maradona morreu ‘abandonado’ por equipe médica, aponta relatório

Foto: Assessoria de imprensa de Diego Maradona via AFP

O astro do futebol argentino, Diego Maradona, morreu “abandonado à própria sorte” por sua equipe de saúde, aponta um relatório médico independente divulgado nesta sexta-feira (30).

O levantamento foi feito à pedido do Departamento de Justiça da Argentina que tenta reconstruir os últimos momentos de vida do ídolo do esporte.
No documento de 70 páginas, os peritos médicos afirmam que Maradona passou por um “período prolongado de agonia” e que ele teria recebido um “tratamento inadequado, deficiente e imprudente”.

O campeão do mundo tinha problemas de saúde graves e se recuperava de uma cirurgia cerebral quando morreu nos subúrbios da capital argentina em 25 de novembro de 2020.

Acusação de negligência

Relatos de que Maradona foi abandonado pelos amigos e não recebeu o acompanhamento médico adequado após uma cirurgia foram encaminhados à Justiça argentina no início de março.

Ao menos sete pessoas são acusadas de negligência, entre eles o neurocirurgião Leopoldo Luque e a psiquiatra Agustina Cosachov, além de um psicólogo e dois enfermeiros.

Segundo a imprensa argentina, áudios obtidos pelos investigadores indicam que a saúde de Maradona era a menor preocupação da equipe que o acompanhava.

Faltou ajuda especializada

O relatório da junta médica afirma que o jogador poderia ter tido mais chance de sobreviver se tivesse recebido um tratamento adequado em um centro de saúde – Maradona foi tratado em casa.

Segundo os peritos, o jogador não estava em condições de tomar decisões sobre sua saúde no momento em que deixou a clínica onde havia sido submetido a uma cirurgia na cabeça.

Leopoldo Luque, médico pessoal e um dos investigados, afirmou que Maradona havia se recusado a seguir com o tratamento na clínica e também não quis ser levado para outro centro de saúde.

Caso se comprove que Maradona morreu por abandono, os responsáveis poderão pegar até 15 anos de prisão.

Fonte: G1