Fiocruz é candidata a Patrimônio Mundial pela Unesco

Fiocruz
Foto: reprodução/Agencia Brasil

Conjunto histórico da Fiocruz em Manguinhos, Rio de Janeiro, é candidato a Patrimônio Mundial pela Unesco. A instituição entrou na lista indicativa de locais que podem receber o título, etapa crucial para iniciar o processo de reconhecimento.

Marcos José Pinheiro, diretor da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), destaca a singularidade da candidatura. “É a primeira vez que um bem relacionado à saúde é inscrito na lista da Unesco. A pandemia evidenciou a importância da saúde para o mundo. A inclusão na lista é um reconhecimento e um desafio que nos entusiasma.”

O conjunto histórico de Manguinhos testemunha a institucionalização da ciência na América Latina. Sua arquitetura eclética e as tecnologias construtivas do início do século 20 o tornam exemplar.

Criado para combater epidemias, o instituto dirigido por Oswaldo Cruz representou um modelo científico original, combinando medicina tropical e microbiologia.

A Chapada do Araripe, que abrange áreas do Ceará, Pernambuco e Piauí, também entrou na Lista Indicativa da Unesco. No local há bens com 180 milhões de anos, que guardam a memória da formação geológica da Terra e registros da presença humana no passado.

Ambos os bens precisam permanecer na lista por um ano para que a candidatura oficial ao Centro do Patrimônio Mundial da Unesco seja formalizada.

Atualmente, o Brasil tem 23 Patrimônios Mundiais. Eles são divididos entre Patrimônio Mundial Cultural, Natural e Misto – este último quando um único lugar possui características singulares associadas aos valores culturais e naturais. Os patrimônios mundiais, definidos pela Convenção de 1972 da Unesco, podem ser edificações, conjuntos urbanos, monumentos, paisagens culturais, ou cidades inteiras, biomas e locais de alto grau de importância ambiental. Atualmente, existem 23 desses lugares espalhados pelo Brasil, entre esses, 15 Culturais, sete Naturais e um Misto.

“A candidatura ainda não significa o reconhecimento como Patrimônio Mundial, mas os bens que já foram reconhecidos partiram dessa lista indicativa. Esses dois bens podem se juntar aos outros sítios do Brasil já reconhecidos como Patrimônio Mundial”, ressalta o presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Leandro Grass.



Veja mais notícias no blogdovalente.com.br e siga o Blog no Google Notícia