BA: Formandos denunciam ‘golpe’ de fotógrafo que sumiu após cerimônia

Formandos de cursos superiores de Vitória da Conquista, na região sudoeste da Bahia, denunciaram um fotógrafo que foi contratado para fazer imagens da formatura e desapareceu após receber o pagamento antecipado. A festa aconteceu em julho de 2015, mas os ex-alunos ainda não receberam os álbuns e não conseguem mais contato com o homem contratado.

“Nós fomos pesquisar CNPJ, fomos pesquisar a empresa e nada constava. A gente fez esse levantamento para garantir de fato esse contato com ele e estranhamos porque ele não cumpriu com aquilo que a gente inicialmente havia contratado”, destacou o psicólogo Bruno Aragão, integrante de uma das turmas de formandos lesadas.

O contrato com a turma de psicologia formada por 26 pessoas foi fechado com o fotógrafo Mike Jeferson em 2014, bem antes da cerimônia. O contrato incluía fotos do convite, que foram feitas e entregues pelo fotógrafo, e as fotos do dia do baile da formatura.

De acordo com os formandos, o homem disse que era de Goiânia. Os ex-estudantes contam que ele chegou a ter quatro endereços diferentes em Vitória da Conquista. O último escritório, que funcionu no bairro Brasil, foi abandonado.

“Quando, de fato, começamos a nos mobilizar, percebemos que outras turmas e outras instituições já haviam colado grau e estavam procurando por essas fotos. Então, a gente tentou se comunicar por rede sociais e por email, mas ele não mais falava com a gente”, destacou Aragão.

O enfermeiro Crisóstomo Pires diz que chegou até a escolher as fotos da formatura que iriam para o álbum, mas ele e as outras 11 pessoas da turma não receberam o material pronto. “Nem álbum, nem fotos, nem dinheiro, nem nada”, afirmou.

Na página do fotógrafo Mike Jeferson em uma rede social, muitas pessoas fazem reclamações sobre os serviços prestados. Os formandos de Vitória da Conquista registraram queixa na delegacia da cidade.

O delegado Nei Brito, que investiga o caso, explicou que não conseguiu encontrar o acusado e que ainda não tem certeza se ele usa o nome verdadeiro. “O problema nosso em relação ao indiciamento e até mesmo ao pedido de prisão é estar cometendo injustiça. Ele pode estar usando documento falso. O ideal é que as vítimas nos ajudem, no sentido de tentar qualquer informação para que a gente possa localizá-lo e conduzi-lo ao Disep [Distrito Integrado De Segurança Pública] para fazer a identificação criminal”, afirmou.

“Na época que ele abriu uma empresa aqui em Vitória da Conquista, em alguns lugares, mudou de endereço e hoje ele não está mais na cidade. Ele é considerado pela polícia como foragido”, completou o delegado. Mike Jeferson deve ser responder pelo crime de estelionato. A reportagem não conseguiu contato com o fotógrafo. Pelo menos mais cinco turmas de cursos superiores de outras faculdades também foram vítimas.

*G1