PRF e CIPPA BA flagram crime ambiental e resgatam pássaros silvestres escondidos dentro de cabine de caminhão dos Correios

PRF e CIPPA BA flagram crime ambiental e resgatam pássaros silvestres escondidos dentro de cabine de caminhão dos Correios
Foto: reprodução

 

Na manhã dessa quarta-feira(30), 26 aves silvestres foram resgatados através de uma ação conjunta da Polícia Rodoviária Federal na Bahia e de policiais militares da Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (CIPPA), em trecho do município de Eunápolis, no extremo sul baiano.

Por volta das 11h, os policiais faziam fiscalização em frente a unidade operacional da PRF (Km 720 da BR 101), quando deram ordem de parada a um caminhão SCANIA que tracionava um semirreboque do tipo baú.

Durante fiscalização a cabine do veículo, os policiais encontraram 26 aves presas em 07 gaiolas que estavam sujas. Os animais foram encontrados aglomerados, dificultando a respiração, mobilidade e descanso dos pássaros, além da higienização precária e da temperatura elevada.

Os pássaros resgatados são da espécie popularmente conhecidas por papa-capim e coleirinho. Só quatro animais possuíam as anilhas que são fornecidas pelo órgão ambiental, e são colocadas nos pés dos pássaros quando ainda filhotes. As anilhas possuem, inclusive, uma numeração que podem ser rastreadas na fiscalização.

O motorista de 42 anos relatou que trabalha para uma empresa prestadora de serviços para os Correios. Ele informou que comprou os animais na cidade de Teixeira de Freitas e disse que pretendia revendê-los na capital baiana com um lucro superior a 200%. Ele também não apresentou a guia do Sispass e nem a Guia de Tráfego Animal da Defesa Agropecuária, documentos que são obrigatórios para o transporte de animais silvestres regularizados.

Configurado a ocorrência de crime ambiental (art. 29 da Lei Ambiental 9.605/1998) e mais receptação de animal (art. 180 da Lei 2.848/1940), o motorista de 43 anos foi apresentado à Delegacia de Polícia Civil para os procedimentos cabíveis.

As aves ficaram sob os cuidados da CIPPA e quando estiverem aptas, serão devolvidas ao seu habitat natural.

Fonte: Ascom/Gov.ba