Com Alzheimer, ela foi estuprada aos 92: “Uma monstruosidade”, diz promotor

Uma idosa de 92 anos, com Alzheimer —doença neurodegenerativa que afeta as funções mentais de forma progressiva—, que mal se locomove e usa fraldas geriátricas, foi estuprada pelo vizinho, em Tajaçoaba, na zona rural de São Luís, no Maranhão. O crime aconteceu em julho deste ano e, no último dia 14, o Ministério Público do Maranhão denunciou o suspeito pelo crime de estupro contra vulnerável e também por maus tratos. A polícia ainda não conseguiu localizar o homem, que tem 73 anos. A vítima tem cinco filhos, mas apenas um deles reside perto da mãe. A idosa mora com uma neta e recebia cuidados de uma profissional da saúde, contratada pela família. Em março deste ano, no entanto, a profissional adoeceu, e não pôde mais trabalhar no local. O vizinho, identificado como José Ribamar Sousa, então se aproximou para oferecer ajuda à família. Ele morava ao lado da casa da vítima havia dois anos, vivia sozinho e não teria pedido remuneração para cuidar da vizinha.

Segundo o promotor do caso, José Augusto Cutrim Gomes, a neta percebeu que sua avó apresentava comportamento agitado quando estava perto do suspeito. Numa das ocasiões em que precisou deixar a vítima na companhia de José Ribamar, ela flagrou o homem dando três beijos na boca da idosa, ao voltar para casa. Em outro momento, a neta também teria flagrado a avó com o vestido levantado até a altura da barriga. José Ribamar estava sentado ao seu lado.

O flagrante

Depois desses dois episódios, no dia em que uma festa ocorria nos fundos de sua casa, a neta saiu e deixou o celular com a câmera ligada, escondido num vaso de plantas. Vinte minutos depois, ela voltou e descobriu o crime, conforme descreve Cutrim para Universa. “Ele tinha ficado na casa para cuidar da idosa, mas, quando a neta voltou, já não estava mais no local. Ela então foi direto para o celular e as imagens revelaram o estupro. Pelas condições de saúde, a idosa não tinha como oferecer nenhuma resistência nem consentir. A cena é de monstruosidade”, diz o promotor.

No mesmo momento, a neta da vítima procurou a delegacia de proteção ao idoso. Os policiais tentaram localizar o homem, mas ele não foi mais encontrado. Não há mais ninguém morando no local. No último dia 14, o Ministério Público do Maranhão (MP-MA) denunciou José Ribamar pelo crime de estupro contra vulnerável e também pelo crime de maus tratos, previstos no Estatuto do Idoso. Reforçou ainda o pedido de prisão preventiva, feito pela Polícia Civil. A pena para os crimes é de 8 a 15 anos de prisão. O promotor pediu também que uma assistente social visitasse a família para verificar o estado de saúde da idosa. “De certa forma, hoje, ela está protegida, mas num estado bem avançado da doença. Nada que tenha se agravado com o crime. O choque maior foi dos próprios familiares”, diz Cutrim.

*Uol