MP pede que mulher de Queiroz seja incluída na lista de procurados da Interpol

O Ministério Público do Rio de Janeiro solicitou à Polícia Federal que inclua Márcia Oliveira de Aguiar no Alerta Vermelho, um radar de procurados internacionais da Interpol.

Se até o fim do dia a mulher de Fabrício Queiroz, ex- assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro, não for localizada ou não se apresentar às  autoridades, ela será incluída no sistema mundial de criminosos procurados.

Fabrício Queiroz foi preso nesta quinta-feira e, desde então, agentes do Centro de Segurança Institucional e Inteligência do MP tentam encontrar Márcia.

Ela trabalhava no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj e aparece na folha de pagamento de agosto de 2017, segundo o Ministério Público, como consultora parlamentar e salário de R$ 9,2 mil.

Nessa quinta, os investigadores foram até a casa da família, na Taquara, mas Márcia não estava. No ato da prisão de Queiroz, os agentes pediram que o Policial Militar aposentado ligasse para Márcia, mas ele se negou. Até às 22h de ontem, os promotores continuavam fazendo buscas em possíveis endereços para encontrá-la. Nesta manhã, checaram outros dois locais.

A inclusão na difusão vermelha significa que o foragido pode ser preso em qualquer dos 194 países filiados à Interpol, polícia internacional formada por representantes das polícias federais.

A ordem de prisão passa e ser expedida por autoridades judiciais de países membros, para fins de extradição de pessoas procuradas pela justiça criminal. Nessa lista, estão os bandidos mais procurados do mundo.

*CNN