‘Nós queremos privatizar, mas não é tudo também, não’, diz Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse neste sábado, 20, que o governo mantém planos para avançar na agenda de privatizações, mas que “não é tudo” que será privatizado. Ele descartou, por exemplo, a privatização da Casa da Moeda do Brasil.

Em mudança de discurso, Bolsonaro também afirmou que a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) não será privatizada “da forma que queriam”, mas não negou a possibilidade de venda do entreposto.

Em dezembro, Bolsonaro chegou a dizer que a Ceagesp não seria privatizada por “ratos” com o interesse de “beneficiar amigos”. Neste sábado, o mandatário mudou o tom.

“Nós queremos privatizar, mas não é tudo também, não. Privatizar a Casa da Moeda? Negativo. Privatizar Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária)? Para quê? Privatizar da forma como queriam a Ceagesp, não vai ser privatizada, pode ter certeza disso”, declarou ao falar com populares durante sua passagem por Campinas (SP).

A fala sobre a Ceagesp e os planos de privatização do Executivo, divulgada em vídeo por um canal no YouTube, foi motivada após uma pergunta ao presidente sobre a “celeridade de pautas” do governo na Câmara. “Eu tenho certeza (que as pautas ganharão celeridade)”, disse.

Bolsonaro responsabilizou o ex-presidente da Câmara do Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ) pelo fracasso do governo de promover uma agenda de privatizações. A venda de estatais, com receita estimada em R$ 1 trilhão, é prometida pelo ministro Paulo Guedes desde o início do governo.

“O próprio ex-presidente (da Câmara, Rodrigo Maia) disse há poucas semanas que agora ele vai fazer uma oposição contra o presidente Jair Bolsonaro, coisa que ele não podia falar enquanto era presidente”, comentou. “O ex-presidente tinha uma ligação enorme com PT, PCdoB e PSOL, então as agendas liberais não andavam. Esse pessoal é estatizante”, justificou.

*R7