Estoques de ‘kit intubação’ estão em níveis críticos e podem acabar em 20 dias, aponta conselho das secretarias municipais de Saúde

Foto: Ascom Sesab

Informações das secretarias municipais de Saúde mostram que, em vários estados, os estoques públicos de medicamentos para intubação estão em níveis críticos e podem acabar nos próximos 20 dias.

O chamado “kit intubação” tem, entre outros itens, remédios para anestesia, sedação e relaxamento muscular.

No Pará, os 12 hospitais da rede estadual só têm estoque para mais 15 dias. No Paraná, os bloqueadores neuromusculares são suficientes para apenas dois dias; sedativos e analgésicos só para mais uma semana.

No Distrito Federal, o presidente do Conselho Regional de Medicina alertou para o baixo estoque de antibióticos e sedativos na rede pública. O dia começou com estoque zerado de dois remédios: o propofol, que é um anestésico geral de curta duração; e o vecurônio, relaxante muscular, que serve para facilitar a introdução do tubo na traqueia.

Em Florianópolis, no hospital estadual Nereu Ramos, medicamentos de intubação estão sendo diluídos para render mais. A Secretaria de Saúde de Santa Catarina diz que há risco de desabastecimento.

O Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde calcula que as reservas atuais durem só 20 dias e pede que o Ministério da Saúde garanta com a indústria a continuidade do fornecimento.

“Em todo o país nós estamos vivendo um momento extremamente crítico. O importante é que nesse momento de gravidade nós estejamos reunidos principalmente sob a regulação do Ministério da Saúde com a participação da indústria para nós estarmos regulando essa produção desses medicamentos; Ministério da Saúde e indústria para que não faltem nos hospitais de referência, principalmente nas unidades que estão no plano de contingência.”

O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga passou o dia nesta terça (16) no ministério e já foi informado da situação. Segundo fontes ouvidas pelo Jornal Nacional, representantes dos laboratórios já disseram ao governo que não dão conta de atender a demanda em curto prazo e sugeriram que o ministério importe esses remédios. Segundo essas mesmas fontes, outra alternativa em estudo seria o governo requerer da indústria os medicamentos para intubação que seriam exportados.

Na ponta, onde os profissionais de saúde se desdobram para dar conta de tantos pacientes, a preocupação é que o baixo estoque de remédios comprometa também outros atendimentos de emergência.

“Muitos desses medicamentos são usados para outros pacientes, são usados para cirurgias, por exemplo, e a hora que faltar vai ser um grande problema para continuar tocando as cirurgias de emergência e depois as cirurgias eletivas”, diz Suzana Lobo, presidente da Associação de Medicina Intensiva Brasileira.

O Ministério da Saúde informou em nota que a definição sobre a necessidade de compra de medicamentos do “kit intubação” ocorre em parceria com estados, municípios e com a Anvisa. “De posse dessas informações do Conass e Conasems, o Ministério da Saúde realiza análises em conjunto com os dados das indústrias enviados e atualizados semanalmente pela Anvisa. A pasta também envia semanalmente às indústrias o consumo médio mensal nacional. Além da busca pela equalização, essa ação também serve para balizar a produção e venda dos medicamentos para os estados prioritários.”