Líder de grupo que negocia vacinas, Carlos Wizard não quer doar doses ao SUS

 

O bilionário Carlos Wizard, que lidera um grupo interessado em comprar vacinas contra a covid-19 para imunizar seus funcionários, não concorda com a doação dos imunizantes ao SUS (Sistema Único de Saúde).

Em entrevista publicada neste sábado (13.mar.2021) no jornal Folha de S.Paulo, o bilionário se disse contrário ao projeto sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro que determina a empresas que comprarem vacinas a doação das doses ao SUS enquanto estiver em curso a imunização de grupos prioritários, como idosos e profissionais de saúde.

Depois de imunizados os grupos prioritários, a iniciativa privada terá de doar 50% das vacinas que comprar para o SUS. As demais não podem ser vendidas, precisam ser distribuídas de forma gratuita.

“Levantou-se a questão de que os empresários possam comprar as vacinas para os seus próprios trabalhadores, desde que façam uma segunda doação para o SUS. Não consigo ver muita recíproca nessa questão. Eu já estou sendo solidário com o governo: ele está deixando de ter a logística, a mão de obra, a negociação e o custo dessa aplicação”, declarou.

“Seu for esperar o governo imunizar toda a população de risco, que são os idosos, linha de frente, paciente com comorbidade, uma população de 70 milhões de brasileiros? Eu estive recentemente no Ministério da Saúde e fiz essa pergunta. Se nós temos um grupo de risco com 70 milhões de pessoas para serem imunizadas, quanto tempo vai levar?”, indagou.

Wizard, que foi conselheiro informal do Ministério da Saúde durante o governo Bolsonaro, disse ainda que a medida é descabida porque a proposta do grupo de empresários é vacinar seus funcionários, o que aceleraria, segundo ele, a reativação da economia brasileira.

“Estamos falando [de vacinar] os trabalhadores ligados ao nosso grupo empresarial. Nós não estamos falando de familiares, amigos, vizinhos e conhecidos”, afirmou.

O empresário não divulgou o nome de outros integrantes do grupo que pretende comprar os imunizantes. Ele disse que os esforços estão sendo articulados com a Abrafarma (Associação Brasileira de Farmácias), que teria disponibilizado 5.000 farmácias com profissionais qualificados e condições para realizar a distribuição, a aplicação e a conservação das vacinas.

Wizar afirmou ainda que é entusiasta do tratamento precoce, com medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19. “Eu sou tão adepto do tratamento profilático, que a cada 15 dias eu tomo hidroxicloroquina. Tomo invermectina, zinco e vitamina D. Já estamos com um ano de pandemia, e, até agora, não tive nenhum sintoma de Covid. Não peguei”, disse.

*Poder 360