Funcionárias de creche em SC deram a vida para salvar as crianças, diz mãe

Keli Adriane, Sarah Luiza, Anna Bela, Murilo Massing e Mirla Renner são as vítimas do atentando a creche em Saudades (SC) — Foto: Reprodução/Redes Sociais; Reprodução/NSC TV

Para os moradores de Saudades, no Oeste catarinense, as professoras e demais funcionários da creche onde ocorreu um ataque na terça (4) foram fundamentais para evitar que houvesse mais mortes.

Uma professora e uma agente educacional morreram tentando defender seus alunos. Os demais professores também agiram rápido, se trancando nas salas com as demais crianças.

“Elas foram muito corajosas em lutar, em entrar em contato com ele [assassino], tentar salvas as outras crianças. Infelizmente não conseguiram. Algumas pessoas tiveram sorte, outras não”, afirma Edna Dessoy, mãe de uma das crianças que estavam na creche no momento do ataque.
Três crianças menores de 2 anos de idade e duas mulheres, sendo a professora Keli Adriane Aniecevski e a agente educacional Mirla Renner, morreram no ataque.

As cinco vítimas foram enterradas na manhã desta quarta (5). A única criança sobrevivente passou por cirurgia e está na UTI com quadro estável.
A polícia acredita que a primeira pessoa que o assassino atacou foi a professora Keli Adriane Aniecevski. Mesmo ferida, ela correu para uma sala, onde estavam quatro crianças e a agente educativa Mirla Renner, de 20 anos.

O homem chegou até a sala e continuou os ataques, matando Keli e três crianças. Todas as vítimas foram atingidas com, pelo menos, cinco golpes de facão, segundo o Instituto Geral de Perícias (IGP).
O assassino tentou entrar em todas as salas da creche, mas as professoras conseguiram se trancar em diferentes salas e proteger as crianças, entre elas, o pequeno Emanuel, filho de Edna.
O delegado responsável pelo caso, Jerônimo Ferreira, confirmou que as professoras se trancaram nas salas para evitar que o autor conseguisse chegar até elas.
Além das duas funcionárias que morreram e dos professores que estavam na unidade, outros funcionários também ajudaram, como a professora Aline Biazebetti, que estava fora do horário de trabalho, mas mora em frente à creche e correu para o local ao ouvir gritos de socorro.
O autor do ataque, um jovem de 18 anos, foi autuado em flagrante por cinco homicídios triplamente qualificados, além de uma tentativa de homicídio contra a criança que foi ferida. O assassino deu golpes contra o próprio corpo e foi levado ao hospital.

Quem são as vítimas:

Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, era professora e dava aulas na unidade havia cerca de 10 anos
Mirla Renner, de 20 anos, era agente educacional na escola
Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses
Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses
Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses.

O que se sabe até agora:

Um homem de 18 anos invadiu a escola Aquarela com duas facas às 10h de terça (4).
A creche fica na cidade de Saudades (SC), 600km de Florianópolis, e atende crianças de 6 meses a 2 anos.
20 crianças estavam no local sob os cuidados de 5 professoras.
A primeira pessoa que o assassino atacou foi a professora Keli Adriane Aniecevski.
Mesmo ferida, a professora correu para uma sala, onde estavam quatro crianças e a agente educativa Mirla Renner, de 20 anos.
O homem chegou até a sala e continuou os ataques, matando Keli e três crianças. Mirla chegou a ser socorrida, mas não resistiu.

Todas as vítimas foram atingidas com, pelo menos, cinco golpes de facão.
O assassino tentou entrar em todas as salas da creche, mas professoras conseguiram se trancar e proteger as crianças.
A única sobrevivente ao ataque é uma criança de 1 ano e 8 meses, que está na UTI.
O assassino foi preso e levado ao hospital após dar golpes contra o próprio corpo. Estado de saúde dele é grave.
Polícia encontrou R$ 11 mil e duas embalagens de facas novas na casa do assassino.
O velório e o sepultamento das cinco vítimas foram coletivos