‘Não influencio a orientação de ninguém’: professores comentam frase do ministro da Educação sobre transexuais que lecionam

Alunos saindo de escola na Estrutural, no Distrito Federal

Professores transexuais comentaram as declarações do ministro da Educação dadas em entrevista publicada na quinta. Milton Ribeiro disse, ao jornal “O Estado de S. Paulo”, que a população trans atuante na rede de ensino não pode incentivar os alunos “a andarem por esse caminho. Tenho certas reservas”.

Paula Beatriz de Souza Cruz, de 49 anos, é a primeira diretora trans de uma escola estadual de São Paulo. Tem 30 anos de trabalho na educação e está há 17 numa escola pública da rede estadual no Capão Redondo, zona sul de São Paulo.

“Nunca tive problema. Há outro entendimento. E deixo claro que eu, enquanto mulher e transexual, não influencio a orientação de ninguém. Isso não existe, justamente, porque não é uma escolha. Eu represento e deixo claro que há lugar no mercado de trabalho para todos, por exemplo”, afirma.

Paula Cruz diz que se sente respeitada e acolhida na comunidade da escola na qual trabalha. Manifesta preocupação com as declarações do ministro. “Com esse discurso ele propaga o ódio, a desinformação para as pessoas”, afirma a diretora da escola.

Milton Ribeiro afirmou que “o adolescente que muitas vezes opta por andar no caminho do homossexualismo [termo que trata a orientação sexual como doença]” vêm, algumas vezes, de “famílias desajustadas”.

“Falta atenção do pai, falta atenção da mãe. Vejo menino de 12, 13 anos optando por ser gay, nunca esteve com uma mulher de fato, com um homem de fato e caminhar por aí. São questões de valores e princípios”, disse o ministro.

Na visão da diretora Cruz, Milton Ribeiro “pessoalmente, ele pode ser contra. Mas, na posição de ministro, tem que saber que representa um ministério, um governo. Não se manifestar de modo que causa mais sofrimento e dor para a população LGBT.”

Fonte: G1