Após apagão do Lattes, comunidade acadêmica avalia transtornos causados nas pesquisas

Foto: Reprodução

Após o restabelecimento completo da plataforma Lattes, no último domingo (8), o pró-reitor de Pesquisa e de Pós-Graduação da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Sergio Ferreira, afirmou que não houve prejuízos em relação ao pagamento das bolsas de pesquisa da instituição, nem perda de dados, conforme prometido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

No entanto, ele relata que durante o período em que o sistema esteve fora do ar, pesquisadores e coordenadores de programas de pós-graduação enfrentaram dificuldades para incluir dados na plataforma Sucupira, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). A ferramenta coleta informações e funciona como base de referência do Sistema Nacional de Pós-Graduação (SNPG).

“Alguns pesquisadores tiveram dificuldade e se queixaram que a operação de incluir os destaques dos programas foi um pouco dificultada pela falta do Lattes, embora a Capes tenha argumentado que os destaques já deveriam estar postados na plataforma, mas alguns pesquisadores e coordenadores de programas de pós-graduação alegaram que sentiram falta do Lattes no momento de fazer essas indicações”, afirmou ao Metro1, nesta terça-feira (10).

Ainda segundo o pró-reitor, pesquisadores ainda enfrentam dificuldades com a plataforma Carlos Chagas, que foi parcialmente restabelecida. “Quem está pedindo bolsa de produtividade está tendo dificuldade”, disse.