Pesquisadores do Ifba criam novo equipamento que limpa o coronavírus de objetos contaminados

Foto: Divulgação

Um grupo de pesquisadores do Instituto Federal da Bahia (Ifba) criou um equipamento que permite higienizar objetos em larga escala, capaz de eliminar as inúmeras cópias do vírus Sars-Cov-2, causador da Covid-19.

Chamada Torre de Esterilização, o protótipo, que realiza a limpeza com luz UV fragmentada, traz módulos individuais de esterilização, que são facilmente acoplados entre si e ampliam, significativamente, a capacidade de higienização de objetos.

À frente do trabalho, o pesquisador Antônio Gabriel explica que cada módulo da torre garante o comprimento de onda, tempo de exposição e distância de aplicação adequados para a esterilização desejada.

“A Torre também elimina todos os pontos de sombreamento, o que garante uma esterilização integral do objeto higienizado”, disse Antônio, ao ressaltar que o equipamento possui eficácia de 99,99%, precisando somente de 15 segundos para eliminar não só o corona, mas também outros vírus, como do tipo Influenza (H1N1), além de bactérias, fungos, entre outros.

“Ou seja, conseguimos eliminar as principais formas de transmissão de doenças através de objetos”.

Além disso, Antônio ressalta que o aparelho é ideal para a higienização de objetos que possuem manuseio constante, como celulares, carteiras, etc, bem como equipamentos de proteção individual e demais objetos de manuseio utilizados em áreas de manipulação, como laboratórios.

“Nossa torre será capaz de esterilizar qualquer objeto com dimensões de até 30 cm de altura, 30 de comprimento e 25 de profundidade”.

Segundo o pesquisador, a iniciativa surgiu de uma ideia da empresa Print Dreams 3D, de Campinas, em São Paulo, que, em parceria com a empresa Podoshop, entrou em contato com o Polo de Inovação Salvador, localizado no Parque Tecnológico da Bahia, enquanto unidade Embrapii especializada na área de Tecnologias em Saúde, para criação do equipamento.

O projeto já possui o protótipo final concluído, no qual passou por testes de laboratório na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e foi encaminhado para a empresa, a fim de que sejam providenciados os ajustes finais para fabricação e comercialização. Antônio conta que a comercialização está prevista para 2022.

“Este equipamento pode representar uma garantia de higienização rápida e segura dos objetos, o que reduz, significativamente, o risco de contaminações pelos mais diferentes tipos de microrganismos.

Na atualidade, a Covid-19 é a principal ameaça, mas este equipamento é eficaz contra diversos tipos de fontes de contaminação, o que traz uma proteção permanente na prevenção à disseminação de doenças contagiosas”.

Bahia Faz Ciência

A Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e a Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb) estrearam no Dia Nacional da Ciência e do Pesquisador Científico, 8 de julho de 2019, uma série de reportagens sobre como pesquisadores e cientistas baianos desenvolvem trabalhos em ciência, tecnologia e inovação de forma a contribuir com a melhoria de vida da população em temas importantes como saúde, educação, segurança, dentre outros.

As matérias são divulgadas semanalmente, sempre às segundas-feiras, para a mídia baiana, e estão disponíveis no site e redes sociais da Secretaria e da Fundação. Se você conhece algum assunto que poderia virar pauta deste projeto, as recomendações podem ser feitas através do e-mail [email protected]