Juiz vê vídeo de estupro, mas desconsidera e diz que rapaz ‘vem de boa família’

Foto: ilustrativa

Um adolescente de 16 anos identificado pelas iniciais G.M.C. gravou o momento em que estupra uma jovem de mesma idade no porão de uma casa em Nova Jersey, nos Estados Unidos, onde ocorria uma festa com cerca de 30 pessoas em 2017, segundo informações do Ministério Público do Condado de Monmouth. No entanto, um juiz do Superior Tribunal de Justiça do estado decidiu, no ano passado, que ele não deveria ser julgado como um adulto porque o réu “é um escoteiro” que “vem de uma boa família” e “tira boas notas”, sendo “não apenas um candidato a cursar faculdade, mas, sim, uma boa faculdade”.

No último mês, o Tribunal de Apelação de Nova Jersey, que é de uma instância superior ao do juiz em questão, James Troiano, reverteu a decisão dele e o repreendeu. Isso abriu caminho para o caso ser transferido do tribunal de família para um júri, em que adolescentes com mais de 15 anos podem ser tratados como maiores de idade quando são acusados ​​de crimes graves, conforme a lei do estado.

De acordo com o “New York Times”, os casos de tribunal de família são normalmente sigilosos, mas os argumentos controversos do magistrado vieram à tona em junho, logo após a advertência a ele ter se tornado pública.

A acusação indicou que G.M.C. compartilhou as imagens do estupro com amigos, dizendo numa mensagem: “Quando sua primeira vez fazendo sexo foi estupro”. Ainda de acordo com documentos sobre o caso, a vítima estava embriagada. Mas Troiano mostrou interesse em saber se a adolescente e sua família tinham noção do “efeito devastador” que as acusações teriam “na vida da G.M.C.”.

Para Troiano, estupro ocorre num ataque à mão armada por estranhos e que “as ações do adolescente não eram sofisticadas ou predatórias”. Sobre a mensagem de texto enviada por G.M.C., ele disse que era só “apenas um garoto de 16 anos dizendo besteira a seus amigos”.

“Este jovem vem de uma boa família que o colocou em uma excelente escola onde ele está indo muito bem”, disse o juiz. “Suas notas para a entrada na faculdade são muito altas”.

Segundo os promotores, pessoas que estavam na festa no dia do estupro encontraram a vítima no chão, vomitando. Ela relatou ter sido levada para casa pela mãe de uma amiga e, ao acordar, se sentiu confusa sobre suas roupas rasgadas e hematomas pelo corpo. Documentos judiciais afirmam que, nos próximos meses, ela descobriu sobre o vídeo do estupro que G.M.C. vinha compartilhando. Questionado sobre isso, porém, ele negou, alegando que os amigos estavam mentindo. Quando a vítima viu que o agressor continuava a compartilhar o vídeo, a mãe dela contatou as autoridades para processá-lo criminalmente.

*Extra