‘Vi cadáveres na rua e tinha que esconder o rosto para não chorar’, diz libanesa

Guia de turismo no Líbano, Nada Nammour relatou à CNN, na manhã desta quarta-feira (5), como foi o momento da explosão em Beirute – que já registrou 100 mortos, segundo a Cruz Vermelha. De acordo com a libanesa, havia muitos mortos e feridos desorientados nas ruas.

As circunstâncias da explosão ainda estão em investigação, mas é considerado provável que a origem tenha sido um armazém de nitrato de amônio, composto geralmente utilizado como fertilizante e que tem potencial explosivo.

“Havia muitos mortos na rua, sirenes das ambulâncias, feridos desorientados, casas e prédios destruídos. Vi cadáveres na rua e tinha que esconder o rosto para não chorar, mas chorei por todo o caminho até em casa”, disse.

Nammour contou ainda que o filho estava perto do local onde ocorreu a explosão. Em seu relato, ela afirma que ouvir que o filho estava ferido pela tragédia era ‘demais’ para ela.

“Eu estava na montanha, cerca de 1h30 de Beirute e não soube o que fazer porque ninguém sabia o que era. Eu tinha minha família na capital e assim que cheguei na cidade recebi uma ligação de que meu filho estava ferido. Não sei dizer o que estava sentindo na hora porque ouvir que um filho está ferido e você está longe era demais. Isto é uma tragédia”

A guia turística continuou: “Meu filho estava perto do porto, na casa de uma amiga. Ele ouviu a primeira explosão e foi ao balcão ver o que estava acontecendo. Depois, teve outra explosão e tudo caiu em cima dele. Ele não me contou nada no momento porque estava ferido e com muita dor. O povo libanês está sofrendo demais”, finaliza.

*CNN