Com França em lockdown, família de baiana morta em Nice recorre ao consulado

 

A família da brasileira Simone Barreto Silva, morta no ataque ocorrido em Nice, na quinta-feira (29), está em contato com o Consulado-Geral do Brasil, na França. Fontes do Itamaraty afirmaram à CNN que pode ser necessário equacionar a ida da família até o país, devido às dificuldades de momento. Desde março, por causa da pandemia, a União Europeia decretou o fechamento das fronteiras. Nesta semana, a França entrou novamente em lockdown, por causa da segunda onda do coronavírus. Autoridades francesas também elevaram o alerta de segurança ao máximo, após o atentado.

Quem decidirá se a família da brasileira poderá entrar ou não será a Imigração, órgão do Ministério do Interior.

A família de Simone é da Bahia. A irmã dela tem buscado informações no consulado. Uma prima da vítima mora na França.

Simone tinha 44 anos e morreu após ser esfaqueada na basílica de Notre Dame de Nice. Ferida, ela chegou ensanguentada a um restaurante em frente à igreja, mas não resistiu. Simone foi uma das três vítimas do atentado, que também vitimou uma idosa e um homem que trabalhava como sacristão. A morte foi confirmada na quinta pelo Itamaraty.

A brasileira morava na França há 30 anos, ela deixa 3 filhos. A mulher tinha nacionalidade francesa e formação de cozinheira. Atualmente trabalhava também como cuidadora de idosos.

O ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, se manifestou com “profundo pesar”.

Fonte: CNN