Nos EUA, empresas exigem vacinação e já demitem funcionários antivacina

Nos EUA, empresas exigem vacinação e já demitem funcionários antivacina

A obrigatoriedade das vacinas contra covid (vaccine mandate, no inglês) para realizar atividades como viagens, trabalho ou aulas presenciais é uma forma que governos de países com grande rejeição aos imunizantes têm de pressionar os segmentos mais resistentes ao procedimento. É o caso dos Estados Unidos.

Os norte-americanos não enfrentam escassez de vacinas, como as populações de países emergentes. Em março,  o presidente Joe Biden disse que o país teria doses suficientes de vacina para imunizar toda a sua população até o fim de maio. Anunciou, em junho, que doariam 500 milhões de doses para o consórcio Covax Facility –em setembro, dobrou a quantidade. Ainda assim, não alcançou a meta de vacinar 70% da população norte-americana até o feriado da Independência (4 de julho). Até 5ª feira (7.out), os Estados Unidos tinham 56,2% dos seus habitantes completamente imunizados, segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças.

Poder360