Número de mortos em terremoto no Japão já passa de 50

O terremoto de magnitude 7,5 que abalou a prefeitura de Ishikawa, na ilha principal de Honshu – Imagem: Divulgação: MasaoTaira/Getty Images

Os socorristas japoneses enfrentaram o relógio e fortes tremores nesta terça-feira para encontrar sobreviventes do terremoto no Dia de Ano Novo que matou pelo menos 50 pessoas e causou destruição generalizada.  O terremoto de magnitude 7,5 que abalou a prefeitura de Ishikawa, na ilha principal de Honshu, desencadeou ondas de tsunami com mais de 1 metro de altura, provocou um grande incêndio e destruiu estradas.

Na Península de Noto, a destruição incluiu edifícios danificados pelo fogo, casas arrasadas, barcos de pesca afundados ou levados pela maré e rodovias atingidas por deslizamentos de terra.

“Fico surpresa que a casa esteja tão destruída e que todos na minha família tenham conseguido sair ilesos”, disse Akiko, em pé do lado de fora da casa inclinada de seus pais na cidade gravemente atingida de Wajima.

A maneira como o ano de 2024 começou “ficará gravada na minha memória para sempre”, disse ela à AFP após o que chamou de terremoto longo e violento na segunda-feira.

“Foi um solavanco tão poderoso”, disse Tsugumasa Mihara, 73 anos, enquanto esperava com centenas de outras pessoas por água na cidade vizinha de Shika.

A agência de notícias japonesa Kyodo colocou o número de mortos em 57, citando autoridades locais, enquanto os socorristas vasculham os escombros.

Destruição em Wajima após terremoto. – Foto: Jiji Press

“Danos muito extensos foram confirmados, incluindo inúmeras vítimas, desabamentos de edifícios e incêndios”, disse o primeiro-ministro Fumio Kishida após uma reunião de resposta a desastres.

“Temos que correr contra o tempo para procurar e resgatar as vítimas do desastre.”

As imagens aéreas mostraram a escala aterrorizante de um incêndio que se espalhou pela antiga área de mercado de Wajima, onde um prédio comercial de sete andares desabou. Os danos causados pelo terremoto prejudicaram os esforços de resgate para extinguir o incêndio.

A maioria das casas na cidade costeira de Suzu desabou, segundo autoridades citadas pela Kyodo.

“A situação é devastadora, pois cerca de 90 por cento das casas foram completamente ou quase completamente destruídas”, disse o prefeito de Suzu, Masuhiro Izumiya, conforme relatado em uma reunião do governo da prefeitura.

Quase 33.000 domicílios estavam sem energia na região, que viu as temperaturas atingirem o ponto de congelamento durante a noite, disse o provedor de energia local. Muitas cidades estavam sem água corrente.



Veja mais notícias no blogdovalente.com.br e siga o Blog no Google Notícia