SAJ: “No centro é inviável”, diz secretário de Infraestrutura sobre Atakarejo

O Secretário de Infraestrutura, André Araújo, frisou que o Atakarejo não pode ser instalado na  Av. Ursicino Pinto de Queiroz, em Santo Antônio de Jesus (SAJ). Numa entrevista ao Programa Levante a Voz da Rádio Andaiá FM, na manhã desta terça-feira (13), o secretário explicou que foi feito um parecer bem fundamentado para os proprietários do estabelecimento, onde mostra que há outros problemas, além do trânsito.

“Se for ver em Salvador ou na região metropolitana, todo Atacadão ou Atakarejo que existe pode estar até no centro, mas tem uma via de apoio. Ali não tem como. Mesmo se tirasse os carros, a gente teria que tirar as palmeiras para carreta parar ali?”, questionou.

De acordo com ele, a prefeitura não se opôs ao Atakarejo na cidade, apenas estão seguindo as leis. Ele ainda defende a ideia de construir no referido local um prédio residencial.

“Não estamos fazendo nada de forma leviana. Só que no centro é inviável. SAJ está supersaturado de trânsito. Ali é complicado fazer um mercado desse porte. Não existe um projeto de ter acesso por cima, como vai ficar a cidade com o pessoal entrando no Atakarejo? Por que não no novo espaço?”, pontuou.

O empresário Ditinho doou um terreno com 10 mil metros quadrados para que o Atakarejo seja implantado na cidade, segundo informações do site InfoSAJ. O terreno fica localizado no bairro Clube dos 1000, próximo à BA-046 (ver aqui).

Os proprietários do Atakarejo informaram ao radialista Léo Valente que não receberam nenhuma proposta e soube desse terreno através da imprensa. Eles afirmaram também que estão dispostos a atender todas as solicitações e o que for necessário para não prejudicar o trânsito da cidade, levando em consideração que eles estão cientes de que qualquer situação de transtorno vai causar uma imagem negativa a empresa, o que eles não querem. Ainda conforme os representantes, as outras lojas do Atakarejo em outras cidades estão localizadas no centro e onde chegaram procuraram fazer melhorias no trânsito que serviram tanto para o empreendimento como para a fluidez do trânsito no seu entorno.

O inspetor chefe do Crea (Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia) de Santo Antônio de Jesus, Carlos Canuto, disse em entrevista ao Programa do Valente que os engenheiros precisam trabalhar para a solução do problema. “Nós engenheiros temos de pensar de uma forma que essas empresas que queiram vir, a gente não deixe elas irem embora, porque quem precisa de emprego são as pessoas mais carentes. Os engenheiros estudam para isso. Temos de arrumar uma situação que atenda a todos”, opinou.

Ele sugeriu uma audiência pública para ouvir a população sobre o assunto. “O Atakarejo em si não vai ser o problema, pois o problema já existe”, ressaltou.

O secretário disse que vai se reunir mais uma vez ainda esta semana com os responsáveis pelo Atakarejo para buscar meios legais para a instalação do empreendimento na cidade.