Butantan quer vacina chinesa no SUS com ou sem ajuda do governo federal

Apesar da recusa do presidente Jair Bolsonaro em usar recursos do governo federal para comprar 46 milhões de doses da Coronavac, vacina contra a covid-19 desenvolvida em parceria do Instituto Butantan com a farmacêutica chinesa Sinovac, o presidente do centro de pesquisas, Dimas Covas, garantiu que vai buscar outras fontes de financiamento que viabilizem a aquisição do imunizante e a sua distribuição no Sistema Único de Saúde (SUS).

Nesta quarta-feira (21), Covas disse que o Butantan fará de tudo para incorporar a Coronavac ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, caso a vacina receba um certificado internacional de eficácia e o seu registro seja aceito pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com ou sem o auxílio de Bolsonaro.

“Estamos trabalhando dia e noite para que essa vacina chegue o mais rapidamente possível. Esperamos que essa vacina seja receptada pelo PNI. Nesse momento, discutimos financiamento. Se não tivermos um financiamento oficial, certamente o Butantan vai procurar financiamentos alternativos para oferecer essa vacina ao nosso PNI”, garantiu o presidente do Butantan, durante entrevista coletiva.

Covas lembrou que 40 milhões das 46 milhões de doses da Coronavac que o Butantan quer comprar serão produzidas nos laboratórios do próprio instituto. “Essa vacina terá a marca e o rótulo do Butantan e será destinada a vacinar os brasileiros. Todas as vacinas que nós produzimos no Butantan dão suporte ao PNI. Elas atingem todos os municípios do Brasil. Neste ano, um em cada três brasileiros tomou uma vacina da gripe produzida no Butantan”, destacou.

A estimativa de Covas é de que a substância tenha o aval de autoridades sanitárias para ser aplicada à população até dezembro deste ano. “Se acontecer a incorporação ao PNI, essas vacinas estarão já prontas para serem distribuídas por todo o país. Se isso não acontecer,elas estarão também disponíveis. A questão é o financiamento. E, nesse momento, essa é uma questão crítica porque, obviamente, essas vacinas têm custo. Então, as vacinas serão produzidas e estarão disponíveis para o Brasil no final desse ano. Resta saber quem é que vai financiar as vacinas”, reforçou.

Registro
O presidente do Butantan disse que os ensaios clínicos da Coronavac estão na última fase de testes e já alcançaram mais de 9 mil pessoas. Ele explicou que para garantir o registro do imunizante junto à Anvisa o instituto ainda precisa analisar a real eficácia da vacina.

Para isso, de acordo com Covas, falta cumprir uma das etapas do estudo clínico que demanda que 61 voluntários apresentem diagnóstico positivo para covid-19. “Quando isso acontecer, nós podemos abrir o estudo saber qual e a eficácia do estudo. E, com esses dados, já é um componente importante para o dossiê de registro”, detalhou.

“A outra parte é a produção. A produção já está com a linha certificada do Butantan, e estamos simplesmente aguardando o início da produção dessas 46 milhões de doses. Lá no final, os dois processos se encontram e você tem o dossiê completo. Então, a partir desse momento é que a Anvisa tem os seus prazos regulamentares para deferir o registro”, acrescentou Covas.

Fonte: Correio Braziliense