Mais de uma tonelada de lixo é recolhida nas praias de Salvador; quatro carcaças de barcos foram tiradas da areia

Mais de uma tonelada de lixo foi recolhida nas praias de Salvador neste sábado (15), Dia Mundial da Limpeza, durante uma ação de conscientização. Entre os materiais encontrados, estavam plásticos, fios, pneus e até roupas de cama. Mais de mil voluntários integraram o “faxinaço”.

A ação durou cerca de seis horas e limpou as praias da Itapuã, Jardim de Alah, Barra, Ribeira, Itacaranha e Paripe, sendo as duas últimas no subúrbio ferroviário da capital baiana. Só no bairro da Barra, entre as praias do Cristo e do Porto, os voluntários encontraram 631kg de lixo.

Lixo recolhido na Barra — Foto: Reprodução/TV Bahia

                                                                   Lixo recolhido na Barra — Foto: Reprodução/TV Bahia

Entre os voluntários, estavam pesquisadores universitários. Eles concluíram que o plástico é o maior vilão.

“O plástico, ele diretamente mata a biodiversidade, mata peixe, mata tartaruga, mata outros organismo, filtradores, por exemplo. E o plástico se degrada em micropartículas. Essas micropartículas podem ser ingeridas por animais, que podem até vir parar na nossa mesa”, contou o professor universitário Moacir Tinoco.

Após ser recolhido, o lixo foi armazenado em sacolas e foi encaminhado para reciclagem e descarte apropriado, a depender do material.

Roupa de cama encontrada  — Foto: Reprodução/TV Bahia

                                                               Roupa de cama encontrada — Foto: Reprodução/TV Bahia

No primeiro semestre desse ano, mais de 7 toneladas de lixo foram recolhidos nas praias de Salvador, segundo a Limpurb. O material que serve para reciclagem foi pesado e o valor correspondente foi doado em forma de vale luz para Fundação José Silveira.

Barcos

Barcos foram removidos do Rio Vermelho — Foto: Ascom/Semop

                                                                    Barcos foram removidos do Rio Vermelho — Foto: Ascom/Semop

Além do lixo recolhido em outros pontos da capital baiana, quatro carcaças de barcos foram retirados da praia do Rio Vermelho, neste sábado. Os restos das embarcações estavam na areia e foram alvo da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop). Alguns dos barcos serviam como foco de proliferação do aedes aegypti.

Conforme a Semop, os proprietários foram notificados durante a semana, mas não tomaram nenhuma providência. As embarcações estavam deterioradas e em situação de abandono. As carcaças foram removidas para o setor de Guardas e Bens, localizado na Avenida San Martin.

Para reaver o material, é preciso pagar multa no valor que varia entre R$ 855,77 a R$ 1,1 mil. Os donos têm em um prazo de até 60 dias para fazer a solicitação.

Pontos de proliferação da dengue foram encontrados  — Foto: Ascom/Semop

                                                              Pontos de proliferação da dengue foram encontrados — Foto: Ascom/Semop

Durante a ação, também foram recolhidos mais de 20 pneus e outros objetos, como carrinhos de supermercados deixados na praia.

A operação contou com a participação da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps), que atuou na abordagem social à população em situação de rua; da Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb), com ação de recolhimento dos resíduos sólidos na areia da praia; do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), no combate à ratos, focos e criadouros do Aedes aegypti, além da 12ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) e 7ª Delegacia de Polícia Civil.

No total, mais de 40 agentes participaram da ação, que também contou com a presença de representantes da Associação dos Moradores e Amigos do Rio Vermelho (Amarv), da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação (FeBHA) e da Prefeitura-Bairro Barra/Pituba.

Carcaças foram removidas para depósito  — Foto: Ascom/Semop

                                                     Carcaças foram removidas para depósito — Foto: Ascom/Semop

*G1