Covid-19: Moradores de Itacaré só poderão sair da cidade com autorização da prefeitura

Após montar barreiras sanitárias nas vias de acesso ao município, a prefeitura de Itacaré decidiu endurecer as medidas restritivas para reduzir a propagação do coronavírus. A partir desta quinta-feira (30), a saída de moradores da cidade só será permitida mediante aprovação prévia, com fornecimento de dados sobre o dia, o horário, o destino e a justificativa para a viagem.

De acordo com a assessoria de comunicação da prefeitura de Itacaré, a autorização deve ser solicitada no Centro de Informações da Covid-19, que funciona na Praça da Bíblia, com atendimento presencial das 8h às 18h, ou pelo telefone para informações (73) 99995-7568. Mesmo com o fornecimento dos dados sobre a viagem, a autorização de saída do município não é garantida.

A medida visa evitar que os moradores de Itacaré tenham contato com pessoas de outros municípios da região sul da Bahia. Ilhéus (193) e Itabuna (164), por exemplo, estão entre as cidades com maior número de casos no estado, com 193 e 164 respectivamente. As cidades ficam atrás apenas de Salvador, que possui 1.639 pessoas diagnosticadas com a doença.

Além da exigência pela autorização, as ações de barreiras sanitárias serão intensificadas. Pessoas de fora do município estão impedidas de entrar na cidade sem justificativa. Recentemente, o prefeito Antônio de Anízio afirmou que registrou movimento turístico na cidade, apesar da pandemia.

“Não estamos em período de turismo. Inclusive, baixamos um decreto que proíbe a hospedagem. As pessoas pensam que é época de turismo, querem ficar para lá e para cá. Temos que zelar pela saúde da nossa população. Por isso, tomamos essas medidas, todo esse cuidado, conforme orientação do nosso conselho técnico, formado por médicos e enfermeiros”, disse o prefeito na última semana.

De acordo com o boletim divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), Itacaré possui um caso confirmado de coronavírus. Até a manhã desta quinta-feira (30), a Bahia registrou mais de 2.6 mil casos, com 100 mortes.

*G1