Funcionários de hospital em Salvador denunciam atrasos de salários até de profissionais que contraíram Covid-19

Funcionários do Hospital Bom Viver se reuniram em frente a unidade de saúde, situada na Rua São Judas Tadeu, no bairro de Santa Mônica, em Salvador, e fizeram um protesto na manhã desta quinta-feira (7).

Os manifestantes reivindicam o pagamento do salário que, segundo eles, está atrasado há dois meses. Por causa da situação, as atividades foram temporariamente suspensas.

O Sindicato Dos Técnicos de Enfermagem alega que há outra preocupação. Segundo eles, no local há pacientes com o novo coronavírus e funcionários que também foram diagnosticados com a doença. Estes funcionários também foram afastados sem receber os devidos pagamentos.

Em nota, a direção do Hospital Bom Viver confirmou que existe 1 mês de salário atrasado, pois o prazo para o pagamento do salário de abril ainda não havia vencido no momento da paralisação. Segundo a direção da unidade de saúde, o ato ocorreu sem prévia comunicação, como prevê a Lei. Por conta disso, os manifestantes não ficaram cientes que entre os dias 11 e 15/05 ocorreram os pagamentos do mês em atraso.A perspectiva de pagar o mês em curso deverá acontecer entre os dias 18 e 22/05.

Além disso, a paralisação, contou com a participação da minoria de funcionários e não afetou a assistência aos pacientes internados. No total foram identificados 11 pacientes contaminados. Destes, 8 ficaram em quarentena e foram tratados e curados no próprio hospital e os 3 outros transferidos para unidade clínica especializada.

“Os funcionários que testaram positivo, seguindo a recomendação legal, o Hospital assumiu a testagem de todos os suspeitos, afastando os positivos e encaminhados para os serviços especializados, passando a seguir as orientações públicas, cumprindo toda legislação pertinente, informando a vigilância epidemiológica, como determina a Lei. Todos os EPIs necessários à proteção dos funcionários foram disponibilizados para uso. A maioria já recuperada e os demais em recuperação.” diz a nota.

*Aratu On