Número de internações de pacientes de Covid em Manaus é maior que no ápice da pandemia

Foto ilustrativa

Na capital do estado do Amazonas, a 2.700 quilômetros de onde o presidente mergulhou, o número diário de internações de pacientes de Covid superou mais um recorde na pandemia.

Dentro da ambulância está o pai do Pedro, um senhor de 89 anos, com dores nas costas e falta de ar. Ele ficou quase uma hora na unidade móvel, no pronto-socorro João Lúcio, um dos grandes hospitais públicos de Manaus.

Segundo o pedreiro Pedro da Silva, o pai trata um câncer. “A única resposta que eles falaram é que eles não tem estrutura para ficar com o meu pai aqui. Não tem oxigênio para que ele fique lá e querem que ele fique dentro do Samu aqui fora”, conta.

Depois da espera, o pai de Pedro foi internado na sala rosa da unidade, que recebe pacientes suspeitos de Covid. Já são mais de 200 mil casos confirmados da doença e quase 5.300 mortes.

“Nós vínhamos ampliando essa capacidade ao longo dos últimos meses com plano de contingência. Porém, isso tem um limite. Vai chegar um momento que essa capacidade pode se esgotar se a população não ajudar”, afirma Marcellus Campelo, secretário de Saúde do Amazonas.

O governo do Amazonas instalou tendas para triagem de suspeitos de Covid e remanejou pacientes para abrir mais leitos de UTI nos hospitais. Mas o último dia de 2020 trouxe um cenário ainda mais difícil para o começo de 2021. O recorde de 124 hospitalizações em 24 horas só na capital. O maior desde o início da pandemia.

Quando se fala em mês, em abril, o número de internações passou de 2 mil. Recuou um pouco em maio, e cedeu no meio do ano. Mas, agora, o mês de dezembro superou as internações dos meses de julho, agosto e setembro juntos. Foram 1.371.

Dentro do plano de ações para enfrentar o novo coronavírus, câmaras frias já foram instaladas do lado de fora de dois hospitais de Manaus para acondicionar os corpos de pacientes vítimas de Covid. Uma terceira será instalada em uma unidade que já é referência para o tratamento da doença. Ali, até o almoxarifado está sendo usado para os infectados que precisam de socorro.

O prefeito de Manaus, David Almeida, que tomou posse nesta sexta (1º), já negocia com o estado a reabertura do hospital de campanha.

“Estamos buscando o credenciamento do Hospital Nilton Lins, que tem 350 leitos. Nós estamos buscando o credenciamento desse hospital para que a prefeitura, que já tem uma unidade básica dentro desse hospital, possa atuar em parceria com governo”, anunciou.

Balões brancos e uma faixa. Profissionais de saúde do Hospital Platão Araújo decidiram começar o ano reforçando a importância do trabalho na luta contra a Covid.

Fonte: G1




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *