Santo Amaro pode perder emendas por inadimplência deixada por ex-gestor

Foto: reprodução

Atenção à saúde, mobilidade urbana, agricultura e educação são algumas áreas que podem perder recursos por conta de dívidas geradas pela gestão do ex-prefeito Flaviano Bonfim, da cidade de Santo Amaro, no Recôncavo. O valor que pode ser perdido é da ordem de R$ 3,2 milhões. Os recurso são provenientes de emendas do deputado federal Paulo Magalhães, do PSD.

O ex-prefeito Flaviano Bonfim deixou uma dívida com o INSS superior a R$ 73 milhões, negativando o município no CAUC (Sistema de Informações sobre Requisitos Fiscais) e impedindo o recebimento de determinados recursos. Para pagar a dívida e “limpar o nome sujo” deixado pelo ex-gestor, a prefeitura teria que assumir o parcelamento da dívida, com prestação mensal superior a R$ 1,6 milhão, inviabilizando a realização de melhorias no município e serviços básicos em benefício da população de Santo Amaro.

“A perda não é apenas financeira. Perdemos muito tempo resolvendo pendências deixadas pela gestão passada, e que não são poucas. Poderíamos estar nos dedicando a outras ações para melhorar a vida das pessoas, sendo mais produtivos naquilo que é da nossa gestão e não corrigindo ações passadas”, declarou Áurea Mércia, Secretária de Planejamento, Desenvolvimento Econômico e Governo.

Ainda segundo a secretária, na tentativa de não perder esses recursos, a Prefeitura vai judicializar caso a caso para liberação das emendas. O município também aguarda decisões federais quanto ao parcelamento de dívidas com a Previdência Social.

“Na conjuntura vivida durante a pandemia, de escassez de recursos, qualquer valor que o município deixa de investir em políticas públicas, o prejuízo é direto para o cidadão”, concluiu Áurea Mércia.

 

Fonte: Bahia.ba