Amargosa: Morador segue desaparecido após casa desabar em povoado

Foto: Reprodução / G1

 

Uma pessoa ainda está desaparecida após as chuvas intensas em Amargosa, no Vale do Jiquiriçá. Nesta terça-feira (14) completam-se quatro dias do desaparecimento. O fato ocorreu após uma casa desabar no povoado de Ribeirão dos Caldeirões e vitimar duas pessoas da mesma família.

Os corpos foram encontrados a três e a quase cinco quilômetros do imóvel. Ao Bahia Notícias, o prefeito Júlio Pinheiro (PT) disse que equipes seguem na busca pela pessoa. Além do povoado e de outras comunidades rurais, bairros periféricos na sede do município foram os mais afetados. Nesses locais calçamentos foram destruídos e tubulações de água rompidas, entre outros transtornos.

Segundo o prefeito, a malha de estradas vicinais, de cerca de 1 mil km de extensão, ficou toda danificada. Nesta terça, a prefeitura deve fechar um relatório para envio às defesas civis do Estado e União, e o prejuízo público é estimado em mais de R$ 10 milhões, isso contando pavimentação de ruas, recuperação de estradas e assistência social aos afetados.

“Todas as estradas vão precisar de reconstrução, alguma delas vai ter que fazer do zero, porque abriram crateras enormes. O prejuízo deve superar 10 milhões, fora o prejuízo particular, de gente que teve casa danificada, mobiliário perdido”, relatou. Júlio Pinheiro disse ainda que há cerca de 50 anos o município não registrava chuvas tão intensas.

“Entre novembro e dezembro, o volume de chuva já representa o maior dos últimos 50 anos. Nós tivemos uma chuva parecida na década de 60. De lá para cá nós não tivemos nada próximo”, relatou. Foram quase 350 milímetros em novembro e na sexta-feira (10), já em dezembro, foram mais de 200 mm em quatro horas de chuvas.

Desde o domingo (12) não chove em Amargosa, o que melhora a situação para reconstrução de estradas e suportes a famílias afetadas pelas chuvas. O município registra nesta terça 48 famílias afetadas.

Fonte: Bahia Notícias