Missionários de Mutuípe que residem na África do Sul contraem a variante ômicron

Missionários de SAJ que residem na África do Sul contraem a variante ômicron
A família reside em Johanesburgo há seis anos cancelaram o retorno ao brasil após contraírem a variante ômicron

O Programa do Valente entrevistou nesta terça-feira (07) o casal de missionários baianos que reside em Johanesburgo, a maior cidade da África do Sul.

Rebeca é filha do Pastor Álvaro da Assembleia de Deus, em Santo Antônio de Jesus e o Missionário Zilton Leal é natural de Mutuípe.

Em conversa com o radialista Léo Valente, Rebeca disse que testou positivo para Covid, pela segunda vez. Segundo Rebeca, ela já havia sido infectada pela doença em julho. Desta vez o marido e a filha apresentaram o sintoma. O casal é vacinado com as duas doses, mas a menina ainda não. Conforme explicação dos pais, apesar de que na África já estarem vacinando crianças, optou por aguardar diante da incerteza dos testes se é ou não seguro.

Em relação aos sintomas se são mais fortes ou menos agressiva que a Covid-19, o casal relatou que a infecção por ômicron é bastante incômoda e que pode ser sentida de forma mais agressiva nos primeiros dias.

“Os sintomas são parecidos com a coronavírus, só que o corpo fica bastante cansado, sinto fadiga e a garganta arranhado é bastante incômoda. Fizemos o teste e deu positivo e estamos sendo medicados. Sentimos dores no corpo, febre e posso dizer que foram três dias de muita dor que quase não saímos da cama”, disse.

A família Leal está em Johanesburgo a 6 anos. O casal de Missionários baianos, desde o inicio da pandemia não voltaram ao Brasil para ver familiares e agora com a variante ômicron, os planos para passar as férias de fim de ano, por enquanto foram cancelados.

“Sabemos que podemos voltar por sermos brasileiros, mas a realidade é essa o preço das passagens ultrapassando a cifra de R$ 16 mil só um trecho. Não temos condições de pagar, nesse momento três passagens. Então falamos para ela que, por enquanto, só iremos conseguir voltar ao Brasil no meio do ano”, fala.

Com voos sendo cancelados, as companhias aéreas estão com preços de passagens com custo bastante alto.

Ainda conforme os missionários, se por ventura retornarem ao Brasil durante essa nova onda, deve manter uma quarentena.

“É tudo muito inconstante, não sabemos como nem quando irá terminar, então demos um freio e iremos aguardar”, pontuam.

 

Confira entrevista completa: