Cientista inglês prevê que a pandemia do coronavírus durará “um ou dois anos”; “se tornará um resfriado comum”

O epidemiologista britânico Adam Kucharski, autor do best-seller internacional “As regras do contágio” (Record), não acredita que a Covid-19 esteja perto do fim. Em entrevista nesta segunda-feira (21/9) ao jornal O Globo, ele disse que a pandemia ainda deve durar “um ou dois anos” até que o coronavírus se torne um “resfriado comum”.

“Acredito que por um ou dois anos ainda teremos nossa rotina afetada, talvez bastante afetada. […] No longo prazo, suspeito que isso acabará se tornando outro vírus global como os de resfriado comum, para o qual os idosos já têm alguma imunidade e pessoas mais jovens adquirem infecções mais amenas”, explicou.

Sobre as vacinas, o professor da London School of Hygiene & Tropical Medicine acredita que irão diminuir o efeito da doença, mas não serão totalmente eficazes. “Suspeito que as primeiras vacinas a se tornarem disponíveis, pelas evidências até aqui, vão impedir as pessoas de ficarem doentes. Possivelmente, elas vão prevenir a infecção um pouco, talvez não em todo mundo, e não por longo tempo”, disse.

A previsão do médico é de que a substância vá sendo aprimorada com o tempo. “Sendo otimista, creio que no fim deste ano ou no começo do próximo teremos vacinas que serão úteis, mas não para frear a pandemia de vez. Elas nos permitiriam diminuir o risco de as pessoas adoecerem de maneira severa. Depois, outras vacinas poderiam nos conduzir ao fim da pandemia”, disse.

Fonte: Aratu