Ser assintomático não significa não transmitir COVID-19

Pessoas com COVID-19 confirmado que não apresentam sintomas da doença são tão contagiosas quanto aquelas com sintomas e podem precisar ser isoladas para prevenir a propagação do vírus, de acordo com um estudo da Soonchunhyang University Seoul Hospital, na Coreia do Sul.

Os pacientes assintomáticos com COVID-19 incluídos na análise continuaram a testar positivo para o vírus por até 18 dias após o diagnóstico, um pouco menos do que os 20 dias para aqueles com sintomas.

Cargas virais – a quantidade de vírus em uma pessoa infectada – em amostras coletadas do trato respiratório inferior de pacientes também diminuíram mais lentamente naqueles sem sintomas do que naqueles com eles. Muitos pacientes assintomáticos também apresentaram evidências de “disseminação viral” – o que significa que eram contagiosos – por pelo menos 30 dias após o diagnóstico confirmado.

Os resultados foram baseados em uma análise de 303 pacientes com COVID-19 confirmado, 81% dos quais não apresentavam sintomas no momento do diagnóstico. Os pacientes incluídos no estudo tinham idades entre 22 e 36 anos, e 110 (cerca de 36%) eram assintomáticos no início da análise. Todos os pacientes foram isolados na enfermaria COVID-19 de um hospital sul-coreano, e 21 – cerca de 19% – dos pacientes assintomáticos desenvolveram sintomas durante o isolamento.

Dos pacientes assintomáticos, 75% testaram negativo para o vírus após 21 dias do diagnóstico, o que indica a recuperação. Entre os pacientes com sintomas, pouco menos de 70% testaram negativo após 21 dias.

De acordo com os pesquisadores, a eliminação viral molecular foi prolongada, e como a transmissão por pacientes assintomáticos com COVID-19 pode ser um fator-chave na disseminação da comunidade, a vigilância baseada na população e o isolamento de pacientes assintomáticos podem ser necessários.

Fonte: JAMA Internal Medicine.