OMS pede que Brasil leve pandemia a sério e que Queiroga se baseie na ciência

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus, voltou a falar sobre a crise sanitária que afeta o Brasil em meio à pandemia do novo coronavírus. Em coletiva de imprensa em Genebra nesta segunda-feira (22), ele pontuou que a situação do país é “muito preocupante” e pediu um “esforço coordenado” para sair da crise.

“O número de mortes aumenta. O número de casos aumenta. O Brasil precisa levar isso a sério. Tanto o governo como o povo”, afirmou.

Ainda na coletiva, ele deu um sinal de que deseja trabalhar junto ao governo brasileiro e congratulou o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Além dele, a vice-diretora da OMS, Mariângela Simão, também falou sobre o cardiologista e pediu que ele se posicione com base em evidências científicas contra a Covid-19.

“Ao ministro Marcelo Queiroga, desejamos muita competência e firmeza no enorme desafio que tem hoje o Brasil. A mensagem extremamente importante – e que ele já se posicionou – é que políticas de saúde sejam baseadas em evidências científicas. E que as políticas de saúde sejam alinhadas com as três esferas do governo. Isso é extremamente importante num momento em que o Brasil enfrenta um perfil mais homogêneo da epidemia”, disse.

*Bahia.Ba