Na França, degustadores de vinhos têm os sentidos afetados após Covid-19

O que é o Vinho de Mesa? - Blog do Pão de Açúcar

As frutas exóticas e notas cítricas frescas saltaram do vinho branco dos Pirenéus, mas a enóloga Sophie Pallas disse que os tons delicados do abacaxi eram mais difíceis de detectar do que seriam antes de ela ser infectada pela Covid-19.

Como tantos outros infectados com o coronavírus, Pallas perdeu o paladar e o olfato – sentidos dos quais dependia seu sustento – o que a forçou a retreinar o paladar.

A história de Pallas destaca o risco da pandemia não apenas para vinicultores, sommeliers e enólogos em uma indústria de vários bilhões de dólares, mas também para chefs, perfumistas, chocolatiers e outros para quem papilas gustativas ou narizes bem ajustados são ferramentas de trabalho.

“Era como estar em um buraco negro. Era uma sensação terrível, uma perda total do meu rumo”, lembrou Pallas. O vinho, disse ela, “deixou de gerar qualquer sentimento, qualquer emoção, qualquer prazer, porque tudo o que pude detectar foi o álcool e a acidez”.

A indústria de vinhos da França está preocupada

Uma pesquisa do Sindicato dos Enólogos da França com mais de 2.600 profissionais da indústria mostrou que, entre aqueles que contraíram Covid-19, mais de um terço disse que a doença afetou sua capacidade de fazer seu trabalho. Estudantes enólogos estavam abandonando os cursos após adoecerem com o vírus, disse o sindicato.

O líder do sindicato, Didier Fages, disse que a entidade havia escrito ao presidente Emmanuel Macron e ao primeiro-ministro Jean Castex pedindo que os degustadores de vinho fossem colocados na frente da fila da vacinação para salvaguardar seus meios de subsistência.

Questionado sobre o que significava para um degustador de vinho ser privado de seu paladar ou olfato, Fages respondeu: “É como pedir a um músico para tocar sem seu instrumento.”

Efeitos da Covid-19: Enólogos e degustadores de vinho da França enfrentam dificuldades para identificar notas cítricas e frutas exóticasFoto: Tamara Malaniy/Unsplash
Efeitos da Covid-19: Enólogos e degustadores de vinho da França enfrentam dificuldades para identificar notas cítricas e frutas exóticas Foto: Tamara Malaniy/Unsplash

Enquanto se recuperava, Pallas invadia sua cozinha de manhã e à noite e inalava profundamente o cheiro de especiarias, vagens de baunilha, grãos de café – tudo o que ela pudesse colocar as mãos – para treinar seu nariz.

Embora agora ela identifique facilmente os sabores dominantes em um vinho, Pallas disse que ainda lutava com as notas mais profundas e complexas.

É um processo de reeducação familiar para o fabricante de champanhe Charles Philipponnat, que os médicos colocaram em coma induzido por uma semana enquanto a Covid-19 devastava seu corpo. Ao acordar, ele descobriu que havia perdido parcialmente os sentidos.

Os aromas de frutas escuras e bagas são fáceis de detectar, mas não os de tangerinas e frutas cítricas maduras, disse o homem de 58 anos, cujas melhores safras são vendidas por cerca de 600 euros a garrafa.

Com a primavera marcando o início da “assemblage”, a delicada mistura de vinhos fermentados e de reserva para criar a base para o próximo cuvee do fabricante de champanhe, Philipponnat disse que seu sabor e cheiro voltaram aos níveis de 90% pré-Covid. “Levei seis meses para redescobrir meus reflexos”, disse ele.

Fonte: CNN