“Não justifica manter leitos de UTI se não tem pacientes”, diz prefeito de Salvador

bruno reis

A prefeitura de Salvador realiza a desmobilização de forma gradual das estruturas de saúde montadas exclusivamente para atendimento aos casos de Covid-19, após o município registrar queda nos números de casos na pandemia.

Em entrevista dada ao programa Que venha o povo, da TV Aratu, o prefeito Bruno Reis, afirmou que a medida é necessária, pois, segundo ele, não faz sentido pagar por equipamentos que não estão sendo utilizados.

“Não justifica manter leitos de UTI se não tem pacientes. Hoje amanhecemos com 46% dos leitos ocupados, vai ficar pagando sem utilização?”, questionou.

Segundo Bruno Reis, caso haja uma nova onda ou os números de casos voltem a subir, haverá a reativação dos leitos.

Ainda conforme o gestor municipal, com a desativação dos leitos, o contrato de alguns profissionais tiveram que ser suspensos, mas podem retornar, caso necessite.

Desativação

A Secretaria Municipal de Saúde informou que, neste momento, já foram desativados os gripários de São Cristóvão e Pirajá, além da Unidade de Suporte Ventilatório de Valéria, hospitais Evangélico e Santa Clara e, em breve, a ação ocorrerá no Hospital de Campanha de Itapuã.

Atualmente, estão em funcionamento oito unidades com leitos Covid sob gestão municipal entre contratadas, unidades próprias e hospitais de campanha, além dos gripários dos Barris, Pau Miúdo, Paripe e Ilha de Bom Jesus dos Passos que, segundo a SMS, dão suporte na área de urgência e emergência na assistência aos pacientes com sintomas gripais na cidade.

De acordo com SMS, no auge da segunda onda da pandemia, a Prefeitura mobilizou 266 leitos de UTI e 331 clínicos exclusivos para a Covid-19. Atualmente, estão em operação 176 leitos de UTI e 190 clínicos.

*Bahia.Ba