Idoso chora ao tomar dose de reforço contra Covid e parabeniza SUS e Pasteur: ‘vacina é a maior invenção da humanidade’

Idoso chora ao tomar dose de reforço contra Covid e parabeniza SUS e Pasteur: 'vacina é a maior invenção da humanidade'
                                                                                           Foto: Reprodução/G1

O aposentado Eduardo Roberto Lourenço se emocionou neste domingo (17) ao tomar sua dose de reforço da vacina contra a Covid-19.

“Fico muito contente de estar no Brasil e termos esse SUS [Sistema Único de Saúde]. Hoje é meu dia da 3ª dose, nós só temos que parabenizar o SUS, parabenizar a vacina, que foi criada por Louis Pasteur, em 1850”, disse.

“Eu faço isso há 40 anos, venho tomar toda a vacina, porque a vacina é a maior invenção da humanidade”, completa.

O cientista Louis Pasteur foi determinante para a criação das vacinas. A experiência de Pasteur com as vacinas aconteceu quando ele estudava a cólera aviária, doença causada pela Pasteurella multocida. Um assistente de Pasteur saiu de férias e deixou uma cultura esquecida, acidentalmente, no laboratório. Quando voltou, a cultura envelhecida não era mais eficaz em infectar as aves. Pasteur fez, então, um segundo experimento, no qual essas galinhas foram infectadas com uma cultura nova e virulenta (causa doença). Para sua surpresa as galinhas sobreviveram ao desafio.

Em 1881, Pasteur trabalhou também com o mesmo princípio para produzir bactérias avirulentas do antraz (Bacillus anthracis), cultivando as mesmas em temperaturas altas. Essas bactérias, atenuadas pelo calor, foram utilizadas como vacina para proteger ovinos contra o desafio com bactérias virulentas do antraz. Com esta vacina de Pasteur, em 1881, reduziu-se drasticamente a mortalidade dos ovinos a 0,34% e a dos bovinos a 1%.

Finalmente, em 1885, Pasteur inicia seus estudos sobre a raiva, usando as medulas espinhais secas de coelhos e cães infectados com o vírus como material para preparar a vacina, pela qual ficou mais famoso.

A Prefeitura de São Paulo comparou as internações registradas entre os dias 8 e 28 de setembro e comparou com os números contabilizados no pico da pandemia na cidade, entre 7 e 27 de abril, quando o número de pacientes internados por dia chegou a ser acima de 500. O mês é considerado o mais letal da pandemia.

Pelo comparativo, as internações por Covid-19 caíram 90% no município. De acordo com o secretário-adjunto, a maioria dos pacientes internados são idosos.

No levantamento, dos 1.082 pacientes adultos, 671 tinha 60 anos ou mais. Ele afirma que o índice alerta para a importância da dose de reforço nesse grupo.

*Reportagem G1